Empresários analisam expansão do Estaleiro São Luís

O projeto de expansão do Estaleiro São Luís prevê investimentos na ordem de R$ 130 milhões, com conclusão prevista para 2023

Em sua primeira reunião neste ano, o Grupo de Trabalho “Pensar O Maranhão”, coordenado pelo vice-presidente executivo da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA), Luiz Fernando Renner, debateu o projeto de expansão do Estaleiro São Luís, apresentado pelo empresário Luiz Carlos Cantanhede, diretor-presidente da empresa maranhense Internacional Marítima e a aprovação do Regime Tributário para Incentivo à Modernização e Ampliação da Infraestrutura (Reporto), com o presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), Ted Lago.

Construído no início dos anos 2000, na Ponta da Espera, no Itaqui, o projeto de expansão do Estaleiro São Luís prevê investimentos na ordem de R$ 130 milhões, com conclusão prevista para 2023. Entre as obras planejadas estão um dique flutuante e a construção de 13 embarcações entre catamarãs e ferry-boats. A expectativa é que com a ampliação do Estaleiro São Luís, o Maranhão ganhe destaque na indústria naval do país.

“É um projeto de grande relevância para o Maranhão, que vai desenvolver o Estado, gerando mais empregos e renda para a população que vai atuar no setor da indústria naval”, afirmou Luiz Carlos Cantanhede.

Segundo o empresário, após a conclusão do projeto de expansão do Estaleiro São Luís, os consertos de embarcações como ferry-boats, entre outros, poderão ser feitos em solo maranhense e não mais nos estados como Pará e Bahia, para onde, atualmente, são transportadas essas embarcações.

“Esses serviços precisam ser realizados de cinco em cinco anos. Essa é a recomendação. A diária da base naval de Aratu, para fazermos reparos numa embarcação, chega ao valor de R$ 9.200,00”, explicou Cantanhede. O projeto, dividido em três fases, já está na última etapa, cuja conclusão está prevista para o ano que vem.

Para o vice-presidente da FIEMA e coordenador do GT Pensar o Maranhão, Luiz Fernando Renner, a importância de trazer o projeto para o GT é apresentar aos membros mais esse investimento que está sendo realizado em São Luís e a cadeia de negócios que poderão vir junto com o empreendimento. “Como entidade de classe, estamos à disposição para contribuir com o desenvolvimento desse projeto que vai alavancar o setor naval do Maranhão”, afirmou Renner.

O presidente da EMAP, Ted Lago afirmou que a expansão do Estaleiro São Luís é um projeto fundamental para o desenvolvimento do Maranhão e que fortalece um setor com uma demanda incalculável.

A secretária-adjunta de Micro e Pequena Empresa da Secretaria da Indústria, Comércio e Energia (Seinc), Luzia Rezende, também elogiou a iniciativa e colocou a secretaria à disposição da Internacional Marítima “Muito importante conhecer um projeto dessa magnitude sendo conduzido em nosso Estado. A Seinc está à disposição para vermos às questões tributária para o setor e as tarifas praticadas em outros estados”, disse.

O professor da Escola Superior de Guerra, Ronaldo Carmona, destacou a abrangência do projeto, e a geração de novos empregos e renda para a população, em vários segmentos. “É um projeto extremamente relevante para o desenvolvimento do Maranhão, pois vai fomentar a economia do mar, que compreende desde a atividade industrial à atividade pesqueira”, declarou Carmona.