Criptomoedas são usadas para reduzir custos de remessas internacionais

Transferências internacionais têm sido um filão cada vez mais cobiçado por fintechs para vender serviços mais atrativos do que os oferecidos por grandes bancos

A Dock, empresa que fornece infraestrutura para serviços financeiros, passará a usar criptomoedas para agilizar e reduzir os custos de remessas internacionais de recursos envolvendo moedas fiduciárias, ampliando a prateleira de produtos de pagamentos, enquanto avança para América Latina e Europa.

As transações, que envolverão a conversão de real em bitcoin e depois uma nova conversão em outra divisa, como o dólar, chegarão a usuários finais por meio de clientes da Dock, incluindo fintechs e empresas que criaram seus próprios braços financeiros, como Vivo (VIVT3) e Natura (NTCO3).

Criada em 2014 ao ser comprada pelo fundo americano de capital de risco Riverwood Capital, a empresa até o ano passado se chamava Conductor e foi rebatizada como parte da integração de marcas prestadoras de serviços de banco digital, emissão e processamento de cartões e soluções para adquirência.