Em três anos, todas as reuniões de negócios serão no metaverso, diz Bill Gates

Cofundador da Microsoft diz que reuniões migrarão para ambiente virtual em 3D até 2025 e confirma lançamento da primeira versão do metaverso da empresa para 2022

Bill Gates, fundador da Microsoft (Foto: Reprodução)

Reconhecido por ter concebido e construído o império Microsoft, Bill Gates hoje é um visionário que deposita na tecnologia a saída para um mundo melhor. Empolgado com os avanços do metaverso, que promete ser o próximo passo da socialização e do mundo dos negócios na internet, Gates acredita que, em três anos, as reuniões de trabalho acontecerão somente em ambientes digitais.

Segundo ele, a maioria das reuniões virtuais se moverá das imagens de câmeras 2D para o metaverso – um espaço 3D com avatares digitais. A proposta, de acordo com Gates, é que as pessoas acabem usando seu avatar para se encontrar com outras pessoas em um espaço virtual que reproduz a sensação de estar em uma sala real com elas.

Para tanto, será preciso ter óculos de realidade virtual (RV) e luvas de captura de movimentos, para capturar com precisão as expressões, linguagem corporal e qualidade da voz. Para Gates, a adoção de novas tecnologias para a melhor experiência no metaverso é o principal fator para que o modelo de RV demore alguns anos para se consolidar.

Revolução ou conceito?

Embora o termo metaverso ainda seja um tanto vago, ele é visto por muitos especialistas em tecnologia como o próximo estágio das relações digitais. Alguns, como Gates, disseram que isso poderia se assemelhar a uma forma de ciberespaço, no qual os usuários interagem por meio de avatares 3D, enquanto outros acreditam que é simplesmente um conceito.

Até lá, no entanto, muitas pessoas ficarão de fora da novidade por não possuírem as ferramentas necessárias para participar do universo digital. Uma das coisas que possibilitaram a rápida mudança para as videoconferências foi o fato de que muitas pessoas já tinham PCs ou telefones com câmeras, avaliou o dono da Microsoft.

A Microsoft, atualmente a segunda maior empresa do mundo por valor de mercado de US$ 2,57 trilhões, segundo dados do CompaniesMarketCap, planeja lançar sua própria versão do metaverso, em caráter provisório, já no ano que vem, utilizando a câmera das pessoas para animar um avatar e focado em um ambiente corporativo.