Movimentação em portos registra alta de 5,5% de janeiro a outubro

O setor portuário brasileiro movimentou um bilhão de toneladas até outubro de 2021

Foto: Reprodução

O setor portuário brasileiro, que envolve portos públicos e privados, movimentou um bilhão de toneladas de janeiro a outubro de 2021 – crescimento de 5,5% em relação ao mesmo período de 2020 -, conforme dados divulgados nesta segunda-feira (13), em Brasília, pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

Os portos públicos registraram 344,5 milhões de toneladas, aumento de 5,01%, enquanto as instalações privadas alcançaram uma alta de 5,70% com 665,8 milhões de toneladas. Os portos privados que tiveram maior crescimento foram o Terminal Aquaviário de São Francisco do Sul, em Santa Catarina e o Terminal Portuário do Pecém, no Ceará.

A carga que teve maior crescimento foi a conteinerizada, com aumento de 13,8% em relação ao ano passado e 110,6 milhões de toneladas transportadas. Em seguida, vem a carga geral solta, com crescimento de 11,7%, com 49,2 milhões de toneladas.

O granel sólido movimentou 589,7 milhões de toneladas, 58,4% do total das cargas nas instalações portuárias brasileiras, e cresceu 1,8% em comparação com o mesmo período de 2020. Já o granel líquido somou 260,8 milhões de toneladas, 25,8% do total, aumento de 9,7% em relação ao apurado nos dez meses do ano passado.

A navegação de longo curso (entre países) continua liderando e representou 70,5% do total movimentado e cresceu 6% em relação ao ano passado. A cabotagem (navegação entre portos brasileiros) cresceu 6,7% e, por fim, a navegação de interior (entre rios) caiu 5%.

Portos que apresentaram o maior aumento de movimentação:

  1. Terminal Aquaviário de São Francisco do Sul – SC: + 95,3% (14,7 mi t)
  2. Terminal Portuário do Pecém – CE: +36,2% (17,6 mi t)
  3. Terminal Aquaviário de Osório – RS: +31,2% (10,6 mi t)
  4. Terminal Aquaviário da Ilha d’Água – RJ: +27,3% (18,1 mi t)
  5. Itaqui – MA: +27% (26,9 mi t)
  6. Terminal Ilha Guaíba – RJ: +20,2% (22,4 mi t)
  7. Itaguaí – RJ: +21,1% (44,8 mi t)