Terminais nos portos de Maceió e Areia Branca são leiloados com propostas únicas

Expectativa é que complexos portuários recebam cerca de R$ 222 milhões de investimentos e gerem 3 mil empregos nas regiões

Foto: Reprodução

O Ministério da Infraestrutura realizou, na sede do B3, o leilão de dois terminais portuários da região Nordeste. Os dois grupos vencedores foram os únicos interessados nos respectivos terminais. Por serem operações importantes para as cadeias locais, mas muito dependentes de um acordo com os produtores, não havia expectativa de competição.

O Complexo Portuário de Maceió, em Alagoas, foi arrematado pela Empresa Alagoana de Terminais, representada pela Ativa Investimentos, com proposta de R$ 15 mil de outorga. Já o Terminal Salineiro de Areia Branca, no Rio Grande do Norte, foi arrematado por R$ 100 mil pelo Consórcio Intersal, representado pela mesma corretora.

O secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni, destacou a importância de trazer uma infraestrutura adequada, contratos com segurança jurídica e investimentos nas duas principais atividades de dois estados do país. O arrendamento dos dois terminais devem garantir cerca de R$ 222 milhões de investimentos privados.

O Complexo Portuário de Maceió concentra movimentação e armazenagem de granel vegetal, especialmente o açúcar. Com área de 71.262 m², espera-se que o complexo portuário movimente aproximadamente 25 milhões de toneladas durante os 25 anos de contrato, com investimentos de R$ 57,8 milhões e a criação de 842 empregos.

Com área de 35.114 m², o Terminal Salineiro de Areia Branca é destinado à movimentação e armazenagem de granéis sólidos minerais. A expectativa é de que o terminal movimente 69,3 milhões de toneladas ao longo dos 25 anos de contrato. A expectativa é de 2.526 vagas de empregos durante o período, com investimentos de R$ 164,1 milhões.