Primeiro fundo indexado ao bitcoin estreia com sucesso em Wall Street

ETFs vinculados ao bitcoin já existem na Ásia, no Canadá e no Brasil, mas esta é a primeira vez que um é aberto na principal praça financeira do mundo

Foto: Reprodução

Avanço no setor dos criptoativos: o primeiro fundo de investimentos indexado (ETF) baseado em bitcoins, foi lançado nesta terça-feira (19) com sucesso na bolsa de Nova York, nos Estados Unidos, culminando quase dez anos de esforços para que um produto ligado a criptomoedas tivesse espaço em algum grande canal de negócios em Wall Street.

ETFs vinculados ao bitcoin já existem na Ásia, no Canadá e no Brasil, mas esta é a primeira vez que um é aberto na principal praça financeira do mundo. O movimento será um teste crucial para que se conheça a disposição dos investidores convencionais para colocar criptomoedas em suas carteiras de investimento ao lado de ativos tradicionais.

Michael Sapir, executivo-chefe da ProShares, firma que administra US$ 65 bilhões em ETFs e tem sede em Bethesda, no Estado de Maryland, afirmou que este é um importante marco para os ETFs, juntamente com o primeiro ETF de ações nos EUA em 1993, o primeiro ETF de renda fixa em 2002 e o primeiro ETF de ouro em 2004.

Em nota, a ProShares, que acompanhará a evolução do mercado do bitcoin, afirmou que o ETF não vai investir diretamente em bitcoin, mas em contratos futuros vinculados à criptomoeda. Nos ETF, os investidores podem comprar e vender a todo momento, diferente de outros instrumentos clássicos, que têm janelas temporárias de entrada e saída.

Cerca de 23,9 milhões de títulos de mais de US$ 1 bilhão mudaram de mãos, informou a Bloomberg. Este novo fundo e seu lançamento na bolsa impulsionaram a cotação do bitcoin nos últimos dias. Nesta terça, o bitcoin manteve sua ascensão no mesmo ritmo do fundo ETF (+4,42%), chegando a US$ 64.056 , perto de seu recorde de abril (US$ 64.870).

Os ETF se desenvolveram de forma exponencial nos últimos anos e, atualmente, totalizam mais de 5 trilhões de dólares somente nos EUA – 70% do mercado mundial. O volume de negócios do fundo da ProShares era alto na manhã de terça-feira, com mais de 9 milhões de ações tendo trocados de mãos na primeira hora, segundo dados da Bloomberg.