Banco Pan se une a Mosaico, dona dos sites Buscapé, Zoom e Bondfaro

A ideia é movimentar a área de marktplace

Foto: Reprodução

Em busca de fortalecer a sua área de marketplace, nasce uma aliança entre o Banco Pan, controlado pelo BTG e a Mosaico, dona das marcas Zoom, Bondfaro e Buscapé.

A ideia é que se destacar neste mercado. Um exemplo de crescimento nos últimos meses é o Inter. Por outro lado, na bolsa, as empresas de tecnologia sentem o peso de penas devido o aumento da Selic.

Com a junção, a troca será de 0,8 do Pan para cada ação da Mosaico. Vale lembrar que além disso, terão bônus de subscrição, negociado em bolsa, com valor de face de R$ 4.

É importante frisar que para receber o Pan precisa fechar acima de R$ 24 por menos três pregões nos próximos 30 meses. O acordo autoriza uma fatia de 7,9% aos acionistas da Mosaico no Pan. Dependendo do bônus, e seu crescimento, essa fatia pode subir para 9,2%.

Segundo Carlos Eduardo Guimarães, CEO do Pan, a combinação com a Mosaico tem muitas sinergias. As equipes tem capacidades complementares e um perfil cultural muito parecido.

Ele assume estar super animado, as oportunidades de cross-selling são enormes. O cashback vai ser escalado, o ‘buy now, pay later’, além do cartão de crédito.

Os serviços da Mosaico serão oferecidos dentro do app do Pan, em uma área exclusiva de marketplace. Guimarães pontual que o potencial combinado de crescimento da nova empresa é muito maior.

O custo de aquisição de clientes será diminuído e aumentar o lifetime value. Existe a capacidade de crescimento orgânico e inorgânico que cresce muito.

Hoje, o BTG é dono de 13,31% na Mosaico. A equipe de controladores é formada por Roberto Wagner Ferreira Malta, José Guilherme Milek Pierotti e Guilherme Goulart Pacheco.

No início do ano, o IPO da Mosaico na bolsa chegava a quase R$ 1 bilhão. Logo que lançou, a ação disparou mais de 90%, mas, nas últimas semanas, registra queda de 36,3% desde a oferta.

As vendas da Mosaico registraram crescimento de 2,1% no primeiro semestre, totalizando R$ 1,919 bilhão para a empresa. A média mensal foi de 23,8 milhões de visitantes únicos no período.

Quem registrou queda foi a receita bruta, com retrocesso de 3,8%, a R$ 111,6 milhões, o lucro despencou 84,1% a R$ 3,6 milhões.

A base de comparação com o ano passado é complexa, já que com o fechamento do comércio físico no início da pandemia, quase todo mundo foi para o on-line, destaca Pierotti.

Esses números têm muito ruído. Mas deixaram muito claro no IPO que a estratégia envolvia contratação de pessoal, aceleração do crescimento, e que por isso nossa margem ebitda cairia para um dígito.

A Méliuz também deve se tornar parceira do Pan, em acordo, o banco pretende emitir um cartão com cashback, a fim de oferecer produtos financeiros. Guimarães explica que essa parceria responde por cerca de 10% dos cartões emitidos pelo banco e perdeu um pouco de fôlego nos últimos meses.

O acordo com é benéfico para os acionistas da Mosaico e lembrou que os fundadores da companhia têm locups de 18, 24 e 30 meses para cada terço das suas participações, pontua Pierotti.