Salão de beleza receberá R$ 50 milhões em investimentos

A expectativa do negócio para este ano é chegar a marca de 150 salões

Foto: Reprodução

O desejo e dom de empreender, as vezes, surgem com o tempo, mas na vida de Carolina Mendes começou ainda criança, por influência de sua mãe. Quando decidiu de vez entrar nesse universo, sendo dona de seu próprio negócio, nasceu a gal, um salão de beleza.

Mas a experiência no mercado já vinha de anos, ela foi a primeira presidente mulher do InFinance, empresa júnior do setor de finanças do Insper.

Mudar autoestima

O incentivo de desenvolver algo para si, mas direcionado a mudar a autoestima de várias pessoas, nasceu logo após uma palestra assistida em 2014.

O tema era voltado à história da 99Taxi, a partir dali, ela teve certeza que seguiria por esse caminho. Ela diz ter se identificado muito com o perfil empreendedor: de questionar, de não se acomodar e de criar um impacto positivo no mundo.

A empreendedora conversou com donas de cerca de 100 salões e identificou que o principal desafio era separar as comissões dos profissionais. Na prática, percebeu que os salões não são estabelecimentos preparados para o varejo: o cliente não tem acesso a todo o cardápio de serviços, nem sempre a fachada é pensada e a gestão de estoque que costuma ser confusa.

Investidores-anjo

A empresa entrou no radar de investidores, em uma rodada de investimentos, ela recebeu R$ 40 milhões da Monashees e com participação do Canary e dos investidores-anjo José Galló, presidente do conselho da Renner e Renato Freitas, fundador da 99.

Mendes ressalta que foi muito especial tê-lo como investidor-anjo. Quando ela pensou na gal, sabia que precisaria de pessoas boas ao seu lado e de investimentos, por isso, trabalhou duro para conseguir.

Para ela, isso aconteceu por capricho. Ela diz levar uma frase de Mario Sergio Cortella sempre consigo: capricho é fazer o melhor que você puder, nas condições que você tem, até o momento em que você pode fazer ainda melhor. A expectativa do negócio para este ano é chegar a marca de 150 salões e alcançar R$ 50 milhões em faturamento.

A gal, carrega a visão colaborativa e voltada à educação como base. O sistema é baseado na gestão como ferramenta para inteligência com intuito de melhorar a experiência das clientes.

Modelo de negócio

O modelo é seguido a partir da clusterização, algo como a segmentação da clientes; da categorização de serviços e do CRM, por exemplo.

A gal, conta com um centro técnico e um laboratório com 50 colaboradres. A empreendedora acredita que a educação é a base para impactar qualidade e, consequentemente, renda aos profissionais.

Novos salões já está na lista de futuros planos. A ideia é investir em estabelecimentos com alto potencial. Segundo ela, se o salão cresce, todos crescem também. Caso contrário, não crescemos.

Existem dois pontos que estão ligados ao sucesso do empreendimento. O primeiro é promover a reinvenção, ela explica que para atingir resultados diferentes, é necessário fazer coisas diferentes.

Gal power

A gal, significa se reinventar. O segundo é se dedicar e possuir e ter energia empreendedora de transformação. Ela costuma usar a expressão “gal power”.

Ser vírgula significa que quando entram no salão, não querem jogar fora sua essência, seu time, seu empreendedor. A vírgula representa também a diversidade, conclui.