Brasil é o quinto país com maior número de ataques de cibercriminosos

As perdas globais podem chegar a US$ 6 milhões, o triplo do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil.

Foto: Reprodução

Um estudo conduzido pela consultoria alemã Roland Berger apurou que, por conta de cibercriminosos, as perdas globais podem chegar a US$ 6 milhões, o triplo do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil.

Esse é um time de crime que requer cada vez mais aperfeiçoamento, por conta disso, especialistas acreditam que a tendência é que eles se tornem cada vez mais frequentes, já que também cresce o investimento em se defender dos ataques.

Quinta posição

Em seis meses, o Brasil ultrapassou o volume de ataques do ano passado, chegando a 9,1 milhões de ocorrências, considerando os de “ransomware”. A marca atingida faz com que o país fique na quinta posição mundial de ataques, ficando atrás apenas dos EUA, Reino Unido, Alemanha e África do Sul.

De acordo com o sócio-diretor e especialista em Inovação da Roland Berger, Marcus Ayres, o tema de cibersegurança já vem evoluindo no Brasil e no mundo na última década. Hoje, isso não tem apenas relação com a segurança dos dados, mas de infraestrutura.

Quando o ataque ocorre na infraestrutura, a empresa deixa de operar e tem prejuízos. O custo disso é gigante, mas as companhias precisam entender que, para mitigar danos, é necessário que o tema seja contínuo, e não uma ação pontual para se ajustar alguma eventual fragilidade do sistema, observa.

Ataque mais custoso

Para Daniel Aragão, especialista em cibersegurança da empresa de tecnologia NEC no Brasil, há muitos tipos de ataques, mas o ransomware tende a ser o mais custoso, devido aos pedidos de resgate, que podem envolver cifras milionárias.

Umas das formas desses criminosos entrarem no sistema da empresa pode ser por meio de um link de e-mail, no qual o próprio funcionário abre um documento ou link fraudulento.

Um dos mais recentes casos que deixou o tema em evidência no Brasil foi a invasão à rede da Renner, diante disso, empresas que ainda não haviam se posicionado em relação ao tema, estão buscando mudar suas prioridades.

O ataque de criminosos cibernéticos causaram prejuízo de US$ 11 milhões para a JBS, que precisou pagar o valor pelo resgate ao ataque do hacker em sua operação nos EUA, que refletiu em prejuízo nas unidades da Austrália e do Canadá.

Valor pago por empresa

O estudo levantou que o valor pago por empresas em 2020 foi de US$ 385 mil relacionados aos ataques, a maioria deles nos países europeus. Os setores mais afetados, de acordo com o levantamento, são varejo, finanças, hotelaria e manufatura.

A ideia das empresas é buscar proteção contra os ataques, a maneira mais fácil é saber como agem os cibercriminosos, para isso, as companhias buscam pelos hackers do bem, com eles, será capaz de vasculhar vulnerabilidades por meio de acesso e busca do máximo de dados que conseguem.