Brasil sobe cinco posições no Índice Global de Inovação, mas fica no 57º lugar

País ainda esbarra em dificuldades para abrir empresas e falta de crédito, mostra levantamento

Foto: Reprodução

A economia brasileira subiu cinco posições e passou para a 57ª posição entre 132 países analisados na edição deste ano do Índice Global de Inovação (IGI). O país ganhou cinco posições na comparação com 2020, mas especialistas no tema alertam que a colocação brasileira ainda é considerada ruim.

Isso porque o Brasil está dez posições abaixo da obtida em 2011, quando atingiu o 47º lugar, sua melhor marca desde que o índice começou a ser elaborado, em 2007. Segundo a CNI, a colocação brasileira é incompatível com o fato de o país contar com um setor empresarial sofisticado e ser a 12ª maior economia do planeta, em 2020.

Falta prioridade

Segundo Gianna Sagazio, diretora de inovação da CNI, pesquisas apontam que entre as nações mais inovadoras há um política robusta e de longo prazo de investimento em ciência, tecnologia e inovação, envolvendo o setor público, privado e as universidades. Para a executiva, falta prioridade no Brasil.

Sagazio afirmou que sem investimento em inovação muitas empresas correm o risco de desaparecer. A especialista lembra que, durante a pandemia da Covid-19, a ciência, a tecnologia e a inovação foram fundamentais para o desenvolvimento rápido de vacinas.

Outros países

Na primeira posição do ranking aparece a Suíça, seguida pela Suécia e pelos Estados Unidos. O IGI elabora a sua classificação com base em indicadores como instituições, capital humano e pesquisa, infraestrutura, sofisticação de mercado, sofisticação empresarial, produtos de conhecimento e produtos criativos.

O IGI é uma base de dados importante para empresários, formuladores de políticas públicas e pesquisadores, já que as métricas podem ser usadas para monitorar o desempenho de um país em inovação, comparando-o com economias da mesma região ou mesmo grupo de renda. 

O levantamento foi divulgado nesta segunda-feira (20) pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual (WIPO, na sigla em inglês) em parceria com outras instituições. No Brasil, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) é parceria na divulgação dos dados.