Startup DataStrategy cresce 700% na pandemia

A empresa atende gigantes do mercado como Cogna, Mafra e Philip Morris

Marcos Palmeiro , fundador da DataStrategy (Foto: Reprodução)

Formado na área de dados e tecnologia, deixou seu antigo emprego de carteira assinada na Porto Seguro e carreira consolidada com mais de 20 anos no mercado de trabalho, nada disso foi suficiente para apagar o desejo de Marcos Palmeiro migrar para o empreendedorismo.

Em 2015, ele viu que tinha chegado a hora de abrir sua própria empresa especializada no segmento em que se especializou e assim o fez. Com um vasto currículo e duas décadas de experiência, Palmeiro chamou a atenção de um amigo que trabalhava na consultoria francesa Keyrus e logo recebeu a proposta de dedicar seus negócios em uma união voltada ao intraempreendimento na companhia.

Novo no empreendimento, ele passou quatro anos nesse projeto, principal agente para aprimorar o que gostava de fazer. A partir dali, viu uma área que não gera receita saltar para mais de R$ 2 milhões em negócios fechados.

Nascimento da DataStrategy

Há dois anos nascia um novo projeto, o surgimento de sua startup, a DataStrategy, uma butique que analisa dados gerados por grandes empresas para buscar estratégias e implementação de softwares customizados.

A ideia era criar um time de elite, diante disso, ele convidou os melhores profissionais que conheceu ao longo de sua carreira para se aventurar junto com ele. Foi um investimento alto, ali ele relata ter queimado muita margem. Na pandemia, viu o negócio crescer 700% em comparação com o primeiro ano da empresa.

Gigantes do mercado como Cogna, do mercado de educação; Mafra, de saúde e a Philip Morris, multinacional de tabaco e derivados são atendidas pela DataStrategy. Inicialmente, a ideia era focar na estratégia.

Mas, com o tempo, percebeu que teriam de entrar na implementação e na operação. Não fazia parte de seu plano ser agressivo comercialmente. Ele afirma que queria segurar a demanda e manter o padrão de qualidade, porque esse é justamente o meu diferencial.

Novos planos

Os planos futuros da startup envolvem lançar um braço de educação e treinamento, com foco na profissionalização de pessoas interessadas em trabalhar na área de dados em equipes de tecnologia. Palmeiro acrescenta que o seu objetivo é atacar um problema que ele e todo o mercado estão sentindo na pele: a falta de mão de obra.

Palmeiro deseja que a startup seja responsável por ajudar outras empresas a encontrar profissionais capazes de preencher essas vagas. Além disso, a startup cuidará da formação técnica dessa pessoa. O que a empresa quer é entregar esse profissional formado para a função, com base em projetos reais e carimbos do mercado. A iniciativa deve começar em 2022.