Natura lança plataforma que vai monitorar o desmatamento na Amazônia

A iniciativa contra com a parceria da MapBiomas, InfoAmazonia e Hacklab

Foto: Reprodução

A Natura, do grupo Natura&Co, junta-se ao Mapbiomas, InfoAmazonia e Hacklab a fim de contribuir com a preservação da Amazônia. Juntos, eles desenvolveram a PlenaMata, uma plataforma que vai monitorar o desmatamento da Amazônia.

A ideia da plataforma é que além de acompanhar o desmatamento em tempo real, as empresas tenha acesso aos dados das instituições que acompanham a floresta, além de informações sobre iniciativas de preservação e conteúdo editorial, com reportagens que ajudem a tornar mais fácil a compreensão de dados.

O projeto apurou no último dia 3, que durante o ano de 2021, 1.374.350 árvores tinham sido derrubadas por dia. Pelo menos 60% do bioma é representado pela Amazônia

Compromisso

O PlenaMata está disponível em português e inglês. Denise Hills, que é diretora global de sustentabilidade da Natura diz que há um ano, a empresa lançou seu compromisso com a vida e um dos principais pilares é o enfretamento da crise climática na Amazônia.

O PlenaMata é uma das formas de viabilizar esse compromisso. O valor financeiro investido em planos de sustentabilidade pela companhia até 2030 é de US$ 800 milhões.

Os planos incluem capitanear esforços coletivos para garantir o desmatamento zero da Amazônia até 2025. Segundo a Natura, a atuação do grupo tem contribuído para a preservação de 2 milhões de hectares da floresta. A ideia é chegar a 3 milhões.

Expansão das parcerias

Hills acrescenta que pretendem expandir a parceria, buscar mais empresas para se unirem ao projeto, cujo objetivo é engajar diferentes agentes da sociedade civil para acabar com o desmatamento e a degradação do bioma amazônico.

Em depoimento, o coordenador do MapBioma Tasso Azevedo diz que o objetivo da parceria não é monetizá-la. Isso seria um problema de saída porque limita o acesso a ela. A plataforma não tem, ao menos nesse momento, um custo elevado.

Juliana Mori, diretora editorial do InfoAmazonia ressalta que querem construir uma rede de jornalismo ambiental. Que os dados possam ser contextualizados por reportagens da imprensa.