Transformação digital acelerou o setor de TI na pandemia

Em junho, a atividade dos serviços de tecnologia da informação estava 27,8% acima do patamar pré-pandemia, com reflexos positivos na geração de empregos

Foto: Reprodução

Da adoção do home office à explosão das vendas on-line, a pandemia provocou, em questão de meses, mudanças sem precedentes na vida e nas necessidades de empresas, trabalhadores e consumidores. Não por acaso, um dos setores que mais se destacou de 2020 para cá foi exatamente o de tecnologia da informação (TI).

Diferente de muitos setores que entraram em crise de forma implacável, o de TI registra uma trajetória de alta. Enquanto a economia como um todo ficou estagnada, com retração de 0,1% no segundo trimestre, o setor cresceu 5,6% sobre o primeiro, apontou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Transformação digital

O TI é um dos responsáveis por dar suporte a uma transformação digital que, por força das circunstâncias, foi muito mais rápida do que se esperava até 2019. De acordo com o IBGE, a prestação de serviços no segmento cresceu 16,6% no acumulado de 12 meses até junho, em comparação a igual período anterior.

Em junho, a atividade dos serviços estava 27,8% acima do patamar pré-pandemia, com reflexos positivos na geração de empregos. No primeiro semestre, foram abertos 107 mil postos de trabalho na área, incluindo serviços de telecomunicações, conforme a Brasscom, associação empresarial do setor.

Continuidade do cenário

Dados desagregados da Sondagem de Serviços de agosto, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), apontam para a continuidade do cenário positivo. Para Sérgio Gallindo, presidente da Brasscom, embora ninguém tenha o que festejar com a pandemia, a crise teve efeitos em linha com a era digital, como o incentivo ao trabalho remoto.

Helmuth Hofstatter, CEO da provedora de soluções LogComex, de Curitiba, destacou que a Covid-19 deixou um legado que beneficia o segmento de TI como um todo. Para o executivo, as empresas aproveitaram a oportunidade para promover a redução de custos, a digitalização e a ampliação da produtividade.

Outro impacto gerado pela pandemia, segundo Hofstatter, foi a necessidade de aprender a trabalhar com dados. Ele afirmou que é um caminho sem volta, uma vez que os processos mudam todo dia, o que torna o aprendizado fundamental para manter a competitividade.

Perspectivas favoráveis

As perspectivas para os próximos anos são favoráveis para o segmento da tecnologia da informação. Estudo feito pela consultoria Gartner aponta que, em 2023, serão movimentados US$ 30 bilhões em produtos e serviços que não existiam antes da pandemia.