Fazenda Futuro lança atum vegetal e entra em novo segmento

Produto marca a estreia da empresa no segmento de proteínas à base de plantas que imitam peixes

Foto: Divulgação

A Fazenda Futuro, que produz “carnes” à base de plantas, anunciou o lançamento de uma proteína com as características do atum – sua primeira investida no segmento de peixes. O fundador da foodtech, Marcos Leta, afirma que o lançamento segue a estratégia da marca de atender as demandas de consumidores.

A empresa já comercializa produtos como hambúrguer, almôndega, “frango” e linguiça “suína”. Segundo Leta, a missão da Fazenda Futuro é mudar a forma como o mundo come carne e, assim, a proteína de peixe foi escolhida como novo lançamento porque é uma das mais consumidas em todo o mundo.

Sustentabilidade

Do ponto de vista da sustentabilidade, o mercado de atum animal causa muito impacto ambiental e já é possível observar a escassez destes animais nos seus habitats, explica o executivo. A novidade favorece a vida marinha, à medida que contribui na redução da pesca predatória, completa Leto.

A companhia desenvolveu o projeto “Futuro Atum” para o lançamento em parceria com especialistas e engenheiros de alimentos australianos para chegar ao gosto do atum do oceano Pacífico, que, segundo a empresa, “tem um toque mais delicado e fresco”.

Nada de carne

Vendido em pedaços, o “atum” vegetal da Fazenda Futuro leva em sua composição soja, ervilha, grão de bico, azeite de oliva, além de rabanete e óleo de microalgas, que garantem a presença de ômega 3 no alimento. Uma porção de 100 gramas do atum vegetal oferece 15 gramas de proteína e 183 gramas de ômega-3.

Segundo a foodtech, o produto tem sabor, textura e aparência iguais ao do atum animal. No momento, Leta afirma que não há outras proteínas de peixes sendo desenvolvidas pela Fazenda Futuro e que o setor deve olhar com mais atenção para os segmentos de pescados e aves nos próximos anos.