Banco Central divulga medidas em implementação para melhora do Pix

Bloqueio de horários para transferências, limitação de valores e até a escolha dos destinatários estão entre as ações

Foto: Reprodução

O Banco Central (BC) anunciou nesta sexta-feira (27) mudanças no Pix. Bloqueio de horários para transferências, limitação de valores e até a escolha dos destinatários estão entre as ações que o BC decidiu apresentar para melhorar a segurança do sistema de pagamentos.

O BC informou que será estabelecido um limite de R$ 1.000,00 para operações entre pessoas físicas (incluindo MEIs) utilizando meios de pagamento em arranjos de transferência no período noturno (das 20 horas às 6 horas), incluindo transferências intrabancárias, pix, cartões de débito e liquidação de TEDs.

O objetivo da instituição é evitar fraudes e roubos por criminosos que já utilizam o sistema em contravenções bancárias. O limite de R$ 1.000 para noite leva em conta, segundo o BC, que 90% das transações de Pix tem montantes iguais ou menores a R$ 500. Já durante o dia, o limite será o mesmo do TED.

Outra mudança é que será determinado que as instituições ofertem uma funcionalidade que permita aos usuários cadastrarem previamente contas que poderão receber pix acima dos limites estabelecidos, permitindo manter seus limites baixos para as demais transações.

Além disso, a instituição financeira também impôs restrição para proteger clientes que fazem TEDs: instituições não poderão acolher TEDs de diferentes titularidades entre pessoas físicas e MEIs entre 20h e 6h do dia seguinte. Nesse caso, o agendamento é feito para o dia seguinte e pode ser cancelado pelo cliente.

De acordo com dados de inteligência do governo paulista, desde de dezembro do ano passado foram registrados 202 crimes no estado de São Paulo nos quais as vítimas relataram o uso do Pix por parte dos criminosos. Eram casos de sequestro-relâmpago e roubos a mão armada.