Brasil tem 20 startups avaliadas em US$ 1 bilhão; veja quais são

Mesmo com os abalos econômicos provocados pela pandemia, as startups brasileiras vivem um momento bastante promissor

Foto: Reprodução

Atualmente, o Brasil tem 20 startups chamadas “unicórnios” – aquelas que já atingiram o marco de US$ 1 bilhão em valor de mercado. O país atingiu a marca em apenas três anos, e a perspectiva da Associação Brasileira de Startups é que continue crescendo. O esperado é de que, em cinco anos, pule de 20 para 100.

Mesmo com os abalos econômicos provocados pela pandemia, as startups brasileiras vivem um momento bastante promissor. Desde o ano passado, uma série de negócios de base tecnológica receberam aportes de investidores e conseguiram se tornar “unicórnios”.

Conheça os 20 unicórnios brasileiros:

  1. 99: Fundada em 2012 como uma plataforma para motoristas de táxi, depois aberta para autônomos, a 99 se tornou o primeiro unicórnio brasileiro em janeiro de 2018, após ser adquirida pela chinesa Didi Chuxing em negócio avaliado em US$ 1 bilhão.
  2. Nubank: Com foco nos milhões de brasileiros desbancarizados, o Nubank nasceu em 2013 com a proposta de facilitar o acesso ao cartão de crédito. A aposta deu certo e, em março de 2018, a empresa superou o marco de US$ 1 bilhão em valor. Em julho do ano passado, se tornou o primeiro “decacórnio” nacional, avaliada em US$ 10 bilhões.
  3. Stone: A Stone ganhou destaque por desbravar o mercado de máquinas de cartões antes dominado por gigantes. Porém, sua classificação como unicórnio é controversa, uma vez que alcançou a marca de US$ 1 bilhão em valor de mercado após seu IPO, em outubro de 2018. Algumas listas a deixam de fora, por considerarem unicórnios apenas empresas de capital fechado.
  4. iFood: Criado em 2011 para facilitar o pedido de entrega de comida em restaurantes, o iFood se tornou unicórnio em novembro de 2018, após receber aporte de US$ 500 milhões. O serviço ganhou importância durante a pandemia.
  5. Loggi: A Loggi transformou o mercado de courrier, colocando os clientes que desejam entregar objetos em contato direto com os motoboys. Foi dessa forma que a empresa fundada no Brasil conseguiu investimento de US$ 150 milhões do SoftBank em junho do ano passado, conquistando o título de unicórnio.
  6. Gympass: Por uma assinatura mensal, os usuários da Gympass têm acesso a uma rede de milhares de academias parceiras. O modelo chamou a atenção de investidores, que aportaram US$ 300 milhões na companhia em junho de 2019, transformando-a em mais um unicórnio.
  7. QuintoAndar: O QuintoAndar nasceu em 2013 com a missão de desburocratizar os aluguéis de imóveis no país. Em setembro do ano passado, recebeu aporte de US$ 250 milhões e superou os US$ 1 bilhão em valor.
  8. Ebanx: Com sede em Curitiba, a Ebanx realiza o processamento de pagamentos em reais para empresas estrangeiras. Em outubro do ano passado recebeu investimento do fundo de private equity FTV, se tornando primeiro unicórnio da Região Sul do país.
  9. Wildlife Studios: Fundado em 2011, o Wildlife Studios é a maior desenvolvedora nacional de games. Com foco em dispositivos móveis, a empresa tem títulos de sucesso. Em rodada de investimento em agosto do ano passado, foi avaliada em US$ 3 bilhões.
  10. Loft: O negócio da Loft é comprar, reformar e revender imóveis, mas na escala dos negócios digitais. Fundada em 2018, levou menos de dois anos para se tornar unicórnio, alcançando o posto em janeiro deste ano.
  11. Arco Educação: Já a Arco Educação, se tornou unicórnio diferente das outras startups brasileiras, no ano de 2018. O fundador da empresa fez uma oferta pública inicial de ações de 210 milhões na Nasdaq, entrando no setor da bolsa de valores de Nova Iorque.
  12. PagSeguro: Fundada em 2006, é outro unicórnio controverso, pois de acordo com algumas pessoas, é uma empresa do UOL, que não é startup. Contudo, atingiu 1 bilhão de dólares sendo intermediadora de pagamentos em vários locais, on-line e por cartão.
  13. Brex: A Brex não é localizada no Brasil, mas foi fundada em 2017 por brasileiros nos Estados Unidos e trabalha com um cartão de crédito corporativo. Atingiu valor de mercado de 2,6 bilhões ao receber um aporte de 100 milhões em 2019.
  14. Ascenty: Fundada em 2010, a Ascenty é a maior empresa de infraestrutura de Data Centers da América Latina. A empres foi vendida em 2018 para a americana Digital Realty e a canadense Brookfiel pelo valor de 1,8 bilhão de dólares, se tornando um unicórnio.
  15. VTEX: A carioca VTEX oferece serviços que estão por trás dos sites de comércio eletrônico, ajudando os varejistas a converterem vendas. Com o aporte recebido nesta semana, se tornou o 11º unicórnio brasileiro.
  16. Creditas: Mais uma startup de fintech, a Creditas foi fundado em 2012 e atua principalmente on-line e trabalha com quatro produtos principais, no ramo de empréstimos. A empresa chegou a 1,75 bilhão de dólares de valor de mercado, após receber uma rodada de investimentos de 225 milhões de dólares.
  17. C6 Bank: O C6 Bank é um banco digital criado em 2018. Além do serviço de conta corrente e cartão de crédito, o banco também oferece opções de investimentos direcionados para pessoas físicas e pequenas empresas. O banco se tornou um unicórnio em 2020, após uma capitalização de 1,3 bilhões de dólares.
  18. MadeiraMadeira: A MadeiraMadeira é um varejista de bens para o lar, fundada em 2009 no Paraná. Além disso, opera digitalmente através de drop shipping e marketplace. Avaliada em mais de 1 bilhão de dólares, a empresa recebeu investimentos de 190 milhões de dólares em 2021.
  19. Hotmart: A Hotmart é uma empresa inovadora para o mercado que ainda engatinhava em 2011, ano de sua criação, atuando no mercado de produtos digitais. Mas, hoje, é considerada uma das 50 maiores empresas de educação on-line do mundo. A startup atingiu 1 bilhão após receber 735 milhões em uma rodada de captação série C.
  20. Mercado Bitcoin: O Mercado Bitcoin é o primeiro unicórnio do segmento de criptoativos no Brasil, com valor de mercado avaliado em US$ 2,1 bilhões. O feito ocorreu após a empresa receber um investimento de US$ 200 milhões do Softbank.