Santander e The Bakery criam projeto para jovens que desejam fundar startup

Os participantes devem receber uma bolsa de R$ 2 mil mensais

Marcone Siqueira e Felipe Novaes, cofundadores da The Bakery (Foto: Reprodução)

Pelo menos 30 jovens empreendedores devem tirar do papel seus sonhos de fundar uma startup. O Radar Empreenda, projeto que vai apoiá-los, nasceu de uma parceria entre o Santander e o The Bakery. A ideia é que os selecionados – com idade entre 18 e 25 anos – desenvolvam iniciativas do zero para solucionar desafios enfrentados pelo banco.

Durante o processo de seleção, foram registradas 1,6 mil inscrições. O projeto tem como objetivo principal fomentar e ajudar estudantes a empreender. Os selecionados irão passar por um programa de seis meses, deste total, 24 ainda estão nos primeiros anos de faculdade.

Criar soluções

Segundo afirma Nicolás Vergara, superintendente executivo do Santander Universidades, o projeto nasceu com a ambição de conectar times capazes de criar soluções para resolver algumas dores do banco. Não existe a obrigação de sair do programa com uma solução concreta, mas a expectativa é que isso ocorra.

Ele acrescenta que durante os seis meses, os participantes recebem uma bolsa de R$ 2 mil mensais. Para que o jovem possa focar no projeto e não ficar distraído pensando em um estágio, por exemplo.

Projeto remoto

Por conta dos protocolos sanitários devido a pandemia de coronavírus, a equipe prefere manter o projeto inicial de maneira remota. Quando possível, com menos restrições e vacinação mais acelerada, os selecionados possam frequentar o Lab 033, hub de inovação do Santander localizado em São Paulo.

Tomás Mariotto, head do Lab 033 pontua que o Santander acredita que é preciso um ecossistema em prol da inovação, com várias engrenagens se conectando com foco na geração de novos negócios.

Marcone Siqueira, sócio e confundador da The Bakery deve comandar a equipe responsável pela metodologia do programa. Segundo ele, essa é a hora de ajudar os jovens com metodologias ágeis e processos que possam fazê-los entender os problemas e prototipar soluções.

MPV

Desta vez, a proposta que será passada aos jovens selecionados é a criação de um MVP (produto mínimo viável). Se tudo acontecer dentro dos planos, a jornada deve acabar entre novembro e dezembro deste ano. Siqueira ressalta que esse é um investimento para crescer, é um ambiente ideal, de rotina ágil, prototipagem e aprendizado.