Brasil é o primeiro em ecossistema de fintechs da América do Sul

A capital paulista é uma das grandes responsáveis pelo resultado brasileiro

Segundo o relatório 2021 Global Fintech Rankings, produzido pela Findexable em colaboração com a Mambu, fintech alemã de soluções bancárias na nuvem, o ano de 2020 foi de grande expansão para os startups que operam no setor bancário no mundo inteiro, mesmo com a pandemia da Covid-19.

Neste cenário, o Brasil se estabeleceu ainda mais como um dos grandes ecossistemas de fintechs mundialmente: o país alcançou a primeira posição da América Latina, seguido por Uruguai, México, Colômbia, Chile, Argentina e Peru, e elevou cinco posições no ranking global, alcançando a 14ª colocação. O índice é liderado por Israel, Reino Unido, Singapura, Estados Unidos e Suíça.

Uma das grandes responsáveis pelo resultado brasileiro foi a cidade de São Paulo, subindo uma posição e se tornando o quarto maior ecossistema de fintechs do mundo no comparativo com outras cidades, atrás apenas de Londres (Inglaterra), Nova York (EUA) e São Francisco (EUA), e ficando à frente de potências como Tel Aviv (Israel), Berlim (Alemanha), Boston (EUA) e Los Angeles (EUA).

Na América do Sul, a capital paulista está na frente de outras grandes capitais, como Cidade do México (México), Montevideo (Uruguai, Buenos Aires (Argentina), Santiago (Chile) e Bogotá (Colômbia).

Outras seis cidades brasileiras figuram no top 20 regionais: Belo Horizonte (7ª colocada), Rio de Janeiro (10ª), Curitiba (11ª), Porto Alegre (12ª), Florianópolis (16ª) e Brasília (17ª).

Expansão geográfica

Neste ano, o relatório mostra que, embora os principais centros de tecnologia e finanças continuam sendo Nova York, Londres e São Francisco, as fintechs estão geograficamente mais diversificadas.

Diversos países africanos apareceram na lista, como Ruanda, Seychelles, Tunísia, Somália e Zimbábue, e cidades como Tel Aviv e Riad, subiram no ranking, com esta primeira figurando entre as dez principais cidades do mundo para aumento de fintechs. Mais de 20% dos 83 países presentes relacionados estão ali pela primeira vez.

Investimentos

O relatório mostra que o setor de tecnologia para finanças adquiriu investimentos relevantes em 2020. O número de fintechs que são unicórnios (startups privados com uma avaliação de mais de US$ 1 bilhão) subiu de 61 em abril de 2020 para 108 em abril de 2021.

No mesmo período, o montante investido nessas empresas aumentou de US$ 199 bilhões para US$ 440 bilhões, valor que equivale a 20% dos investimentos em unicórnios do setor de tecnologia.

Para o diretor geral da Mambu no Brasil, Sergio Constantini, as fintechs são empresas de tomada de decisão ágil, que atendem necessidades muito variadas de clientes do setor financeiro e estão revolucionando esses serviços, que se tornam cada vez mais fáceis, rápidos e simples.