Entenda como reforçar a segurança de casas inteligentes

Casas inteligentes recebem o sistema IoT (Internet of Things) que leva conectividade da rede aos objetos

Foto: Reprodução

Que a tecnologia vem se estabelecendo cada vez mais em diversas áreas da vida não é novidade, mas ela é capaz de ir bem além. Hoje, por meio dela, é possível monitorar e ter acesso às próprias casas estando nelas ou mesmo de longe. Esse tipo de procedimento é permitido graças à tecnologia IoT (Internet of Things) que leva conectividade da rede aos objetos.

A praticidade de ter uma casa “movida” à tecnologia tem se tornado cada dia mais comum. De acordo com o pesquisador adjunto sênior da Avast, Luis Corrons, considerando que, historicamente, a internet foi projetada para ser usada principalmente por computadores, temos sido capazes de aplicá-la em inúmeros itens, como telefones, carros, dispositivos médicos e, claro, casas conectadas.

Facilidade no dia a dia

O gerente de produtos conectados da Signify, Edgard Jiron explica que esse modelo de tecnologia facilita muito o dia a dia, porque a pessoa pode estar fora de casa e controlar tudo o que acontece lá dentro. Usando o comando de voz, é possível fazer tudo sem nenhum esforço, otimizando, assim, o tempo.

Além da modernidade e praticidade, o sistema contribui em reduzir gastos com energia. Corrons explica que o processo de montar um sistema é caro, mas, assim que ele está configurado, é facilmente possível rastrear o uso de energia e de água, aquecendo e iluminando apenas quartos específicos e controlar a saída de energia para outros dispositivos.

Software malicioso

Se atente aos cuidados! É importante ressaltar que a tecnologia ajuda, mas pode prejudicar. É sempre válido estar atento ao sistema e uso de dispositivos. Um levantamento realizado pela Avast, em 2018, mostra que cerca de meio milhão de roteadores em 50 países foram infectados com um software malicioso, permitindo a extração de dados sigilosos que desligou alguns aparelhos.

Diante das possíveis falhas que podem ser encontradas com o uso da tecnologia smart house, existem algumas dicas que podem ajudar a proteger os seus dispositivos, veja abaixo:

  1. Não tenha receio de apostar em equipamentos reconhecidos pelo mercado, opte por marcas renomadas e que tem indicação. É melhor gastar um pouco mais e garantir a segurança de seus dispositivos. Sempre veja se a marca oferece atualizações, para o que firmware seja corrigido, caso necessário. Conheça o produto que você tem em casa, tire um tempo para entender o sistema, incluindo como é feita a coleta de dados e os recursos;
  2. Nunca use senhas fáceis, opte por senhas longas e que misturem letras minúsculas, maiúsculas, números e caracteres diversos. Mesmo usando senhas mais difíceis de serem descobertas facilmente, lembre-se de trocá-las sempre que achar que já tem muito tempo de uso. Senhas fáceis e que estejam sendo usadas por um longo período possibilita que sejam vinculadas a um aparelho doméstico inteligente a um botnet, que é uma coleção de dispositivos conectados à internet e controlados por cibercriminosos;
  3. Priorize a verificação em duas etapas, um processo em que os dois métodos de autenticação são necessários para obter o acesso, o que pode ajudar a evitar ataques se a senha for descoberta;
  4. Se certifique que o firmware dos seus dispositivos IoT estejam atualizados com as versões e patches mais recentes. Sempre que utilizar aparelhos IoT esteja atento ao processo de atualização, isso faz toda a diferença;
  5. Prefira dividir uma rede doméstica em duas partes. Como recomendação do FBI (Federal Bureau of Investigation), os proprietários de residências mantenham os dispositivos que transportam dados confidenciais, como laptop e smartphones, em uma diferente daquelas que provêm suporte a aparelhos domésticos inteligentes.