Primeira obra com certificado NFT da história vai a leilão e marca revolução na arte

A obra “Quantum”, do artista nova-iorquino Kevin McCoy, é uma animação em forma de octógono

Foto: Reprodução

O primeiro NFT da história, um objeto digital de propriedade certificada, está à venda na casa de leilões Sotheby’s. A obra “Quantum”, do artista nova-iorquino Kevin McCoy, é uma animação em forma de octógono que, em maio de 2014, se tornou a primeira obra a ser associada a um certificado de propriedade do tipo NFT, termo que só viria a ser cunhado em 2017.

Max Moore, vice-presidente encarregado de arte contemporânea na Sotheby’s, afirmou que, em 10 anos, quando olhado para trás, o trabalho pode simbolizar o início de algo bastante revolucionário. Não há avaliação oficial para “Quantum”, que já havia atingido US$ 140 mil na sexta-feira (4), um dia após o início da venda on-line, que termina em 10 de junho.

O artista McCoy explicou que o mundo da arte tradicional demorou para entender o sistema e o que era proposto, enquanto o mundo das criptomoedas não estava interessado na questão da arte digital. Ele acabou desistindo dos NFTs por um tempo, mas voltou a eles no ano passado. Hoje está animado com a explosão e garante que este é apenas o começo. 

O selo NFT é protegido por blockchain, um banco de dados altamente tecnológico, criptografado e independente da web, cujas aplicações vão muito além das criptomoedas. Isso garante a titularidade ao seu detentor e, a depender das condições da aquisição do NFT, pode também garantir a exclusividade, o que automaticamente pode influenciar o seu apelo e seu preço.