Vendas do comércio no Dia dos Namorados devem crescer 29,4% em 2021, diz CNC

Crescimento é apontado como uma recuperação sobre 2020, que registrou recuo de 25,3%

Foto: Reprodução

Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) informou que as vendas do comércio relacionadas ao Dia dos Namorados em 12 de junho devem movimentar R$ 1,8 bilhão, um crescimento de 29,4% acima do observado no ano passado, conforme pesquisa elaborada pela entidade sobre o tema.

Por outro lado, as vendas no período devem registrar patamar 4% menor do que em 2019, que teve R$ 1,87 bilhão. Em 2020, os comerciantes registraram uma queda histórica durante a data de 25,3%, para R$ 1,39 bilhão, influenciado pela primeira onda de Covid-19 no país. Além disso, os preços de produtos relacionados ao Dia dos Namorados devem mostrar a mais intensa alta em quatro anos.

Desgaste econômico

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, avalia que não existe a expectativa de melhora do cenário econômico enquanto não houver um avanço na imunização contra a Covid-19. Para ele, enquanto a vacinação coletiva não acontecer, os números tendem a ser mais tímidos do que em anos anteriores, sobretudo acompanhando o desgaste econômico.

Segundo Tadros, é esperado que os empreendedores do setor se mantenham atentos e criativos como têm sido durante todo esse tempo de isolamento, para não perder a chance de se aproximar do público com segurança. Em especial, acentuou ele, os que atuam com serviços, que também devem se atentar a promover ofertas atrativas.

Ramos de destaque

Ao detalhar as projeções de vendas relacionadas ao Dia dos Namorados, a CNC informou que produtos de vestuário, carro-chefe das vendas associadas à data, segundo a entidade, deverão movimentar R$ 797 milhões, o equivalente a 44% do total em 2021. A CNC pontuou ainda que, em 2020, o ramo de vestuário amargou perdas de faturamento da ordem de 43% em relação à mesma data de 2019.

Além de vestuário, outros destaques em movimento de vendas relacionadas à data são os ramos de utilidades domésticas e eletroeletrônicos, com faturamento projetado de R$ 291,8 milhões; hiper e supermercados, com R$ 204,1 milhões; e farmácias, perfumarias e lojas de cosméticos, com R$ 168,6 milhões.

Aumentos mais intensos

Os aumentos mais intensos de preços esse ano, para itens ligados ao Dia dos Namorados, são flores (+18,8%), joias e bijuterias (+17,6%) e relógios de pulso (+10,3%). Em contrapartida, deverão estar mais baratos, do que no mesmo período do ano passado, serviços de hospedagem (-7,6%), livros (-5,8%) e artigos de maquiagem (-3,9%).