Capitais brasileiras devem ter acesso ao 5G ‘puro’ até metade de 2022

Rede vai permitir comunicação mais rápida entre dispositivos

Foto: Reprodução

Todas as capitais do Brasil devem ter acesso à internet 5G “pura” – rede vai permitir comunicação mais rápida entre dispositivos – até a metade de 2022, segundo o ministro das Comunicações, Fábio Faria. A declaração foi feita durante audiência na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (12).

O 5G “puro”, chamado tecnicamente de 5G standalone, deve impulsionar a indústria 4.0 – comunicação máquina com máquina nas indústrias – e a Internet das Coisas, que é a conexão entre dispositivos cotidianos com quaisquer outros sistemas com internet. De acordo com o ministro, todas as 27 capitais brasileiras, até o meio do ano que vem, terão o 5G standalone funcionando.

Na ocasião, Faria afirmou que essa foi uma obrigação que o ministério colocou no leilão e que considera de extrema importância. Essa medida evita que a tecnologia demore para ser oferecida nas capitais mais afastadas, como as da região Norte do país, acrescentou. O edital de leilão do 5G já foi aprovado e está em análise pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Durante a audiência, o ministro das Comunicações lembrou que o leilão do 5G não é arrecadatório e que o objetivo é atrair investimentos para o setor. Também não haverá recursos públicos para implantação da rede. Segundo Faria, somente as operadoras Vivo, Tim e Claro devem participar do leilão. A Oi vendeu seu braço móvel e não vai participar. Já as empresas de fora do país ainda não manifestaram interesse.