Game Brasil: mulheres seguem sendo a maioria entre jogadores no país

Oitava edição da PGB revelou que mulheres representam 51,5% do público de jogos eletrônicos no país

Foto: Reprodução

Lugar de mulher é onde ela quiser, inclusive nos games. A pesquisa Game Brasil 2021, levantamento anual sobre o consumo de jogos de videogame no país, revelou que, como nos anos anteriores, mulheres representam a maioria entre jogadores no país.

De acordo com o estudo, 72% da população brasileira afirma jogar jogos eletrônicos e esse público é representado 51,5% pelo gênero feminino. A pesquisa apontou a forte presença feminina está relacionada ao tamanho do mercado de smartphones, onde existe uma dominância das mulheres (62,2%).     

Entretanto, a maior presença de mulheres não foi a única mudança trazida pela consolidação dos smartphones como principal plataforma de jogos no Brasil. Apesar da principal classe social dos jogadores ser a média-alta (27,6%), houve uma ascensão das pessoas de classes sociais baixas e médias entre o público gamer. Hoje, elas representam quase metade dos consumidores de jogos no país (49,7, na soma).

A maioria dos jogadores brasileiros tem uma renda média familiar de até R$ 2.090 (30,8%), seguidos por uma parcela de 30,3% que afirmam ter até R$ 4.180. A PGB revelou que 45,4% dos gamers baixam apenas jogos gratuitos, devido ao preço elevado dos títulos (46,6%); às opções gratuitas que suprem suas necessidades (34,9%); e para não correrem o risco de se arrependerem pelo produto (22,7%).

A maioria do público (33%) não investe nenhum valor de outra maneira com jogos, mas 32% gastam em moedas virtuais, 31,4% em itens de melhorias e 31,1% em expansões de jogos. A oitava edição da PGB mostrou ainda que o isolamento social provocado pela pandemia de Covid-19 impactou o consumo de jogos eletrônicos: 75,8% dos gamers brasileiros afirmaram jogar mais durante esse período.

O coronavírus também fez com 51,5% dos jogadores realizassem mais sessões de partidas on-line com amigos. Pela primeira vez, a PGB mapeou a etnia dos jogadores brasileiros. A pesquisa revelou que quase metade do público (46%) se identificou como branca e 50,3% se identificaram como pardos ou pretos.

Ainda de acordo com o relatório, a maioria dos consumidores de games é adulta: 22,5% dos jogadores tem entre 20 a 24 anos e 18,6%, entre 24 e 29 anos. Já o público de 16 a 19 anos representa 10,3% dos respondentes, enquanto pessoas de 40 anos ou mais de idade constituem 18,9% dos gamers no país.

Fruto de uma parceria entre Sioux Group, Go Gamers, Blend New Research e ESPM, a PGB 2021 ouviu 12.498 pessoas em 26 estados e no Distrito Federal. As entrevistas foram realizadas entre os dias 7 e 22 de fevereiro deste ano.