Nova rodada do auxílio emergencial começará a ser paga no dia 16 de abril

Calendário vale para quem recebe o Bolsa Família; governo anunciará calendário específico para os demais públicos

Foto: Reprodução

O governo confirmou que os beneficiários do Bolsa Família começam a receber a nova rodada do auxílio emergencial em 16 de abril, seguindo o calendário próprio do programa. Os demais públicos, que são os integrantes do Cadastro Único de programas sociais que não recebem o Bolsa e os cadastrados pelo site ou aplicativo da Caixa, terão calendário específico.

Na nova rodada, apenas uma pessoa por família poderá receber o benefício, que tem valores de R$ 150 para famílias de uma só pessoa, R$ 250 para famílias com mais de um integrante e R$ 375 para mães que são as únicas provedoras do lar, pagos em quatro parcelas mensais.

O auxílio beneficia trabalhadores informais, microempreendedores individuais e desempregados (que não estejam recebendo o seguro-desemprego) com renda familiar de até três salários mínimos, ou de até meio salário mínimo por pessoa. Os beneficiários do Bolsa Família só receberão o auxílio caso ele seja mais vantajoso do que o valor pago no programa.

Aumento de 1%

Por conta desse enxugamento do auxílio emergencial, a XP Investimentos, referência no mercado financeiro e uma das maiores corretoras independentes do Brasil, calcula que o programa vai provocar um aumento de 1% na massa ampliada de rendimentos do país neste ano, mas não vai compensar toda a perda de renda ocasionada pela pandemia de Covid-19, como ocorreu em 2020.

A economista da XP Investimentos, Lisandra Barbero, afirmou que, desta vez, não compensa tudo, uma vez que o desemprego permanece elevado e o benefício terá um escopo bem mais limitado. Por isso, as famílias devem sentir um impacto negativo na renda, mesmo com a segunda rodada do auxílio emergencial.