Presidente do BC revela que Pix pode virar identidade digital

Objetivo é que serviço seja tão simples quanto enviar uma mensagem no WhatsApp

Foto: Reprodução

No futuro, o Pix pode se tornar bem mais do que um sistema de pagamentos. Em evento promovido pelo Banco de Compensações Internacionais (BIS), o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, declarou que o sistema de pagamentos instantâneos pode evoluir para uma espécie de “identidade digital”, como uma forma de comprovar as informações dos cidadãos de forma virtual.

Lançado em novembro de 2020, o Pix permite que usuários criem chaves com códigos únicos. Essa transformação do sistema em uma forma de identificação digital já era um assunto comentado por especialistas, mas é a primeira vez que o presidente do BC se pronunciou abertamente em relação ao assunto.

Ampliação dos serviços

A previsão faz parte de uma expectativa do BC de ampliar os serviços oferecidos pelo governo na plataforma. De acordo com Campos Neto, tudo conectado a vida e a rotina da sociedade serão ligados ao Pix, bem como os serviços do governo. Então, para ele, há um potencial de se tornar uma identidade digital.

Na ocasião, o executivo lembrou que já é possível até pagar impostos e serviços públicos pelo sistema. Ele afirmou que, atualmente, já existem 5 milhões de negócios com Pix – os números apontam que 7% da população brasileira usou o sistema do BC, embora esteja disponível somente por três meses.

Entretanto, o processo de transformação do Pix depende de evoluções ainda necessárias na infraestrutura, além da convergência de informações em outras bases para validar a associação de cada chave às informações dos brasileiros. Contudo, essa é uma notícia que oferece uma ótima perspectiva para o serviço.

Novas funcionalidades

O presidente do BC lembrou ainda que, nesta semana, o sistema ganhou funcionalidade de leitura das informações da agenda de telefone, mediante autorização do usuário. Isso torna o uso do Pix, segundo Campos Neto, “tão fácil” quanto o do WhatsApp. Segundo ele, o intuito é abrir espaço para novos modelos de negócios.

Por fim, o executivo afirmou que, antes de virar uma “multiplataforma”, o Pix deve ganhar mais funções financeiras. Entre elas, estão o “Pix Cobrança”, saques no comércio, registros de recebíveis e Pix por aproximação. Atualmente, o total de chaves está em 181,8 milhões, sendo 174 milhões de pessoas físicas e 7,8 milhões de pessoas jurídicas.