Startup mineira cresce 900% com aluguel de eletrônicos em meio à pandemia

Os celulares são responsáveis por 84,4% dos produtos consumidos, seguidos de gamers, com 7,3% e acessórios diversos com 6%

Foto: Reprodução

A Allugator, startup mineira que oferece planos de assinatura para alugar eletrônicos, driblou a crise econômica enfrentada por inúmeras empresas durante a pandemia de Covid-19 e cresceu 900% em 2020. Atualmente, a empresa conta com aproximadamente 2 mil usuários ativos, mas a pretensão é conquistar a faixa de 10 mil.

O usuário que faz parte da plataforma tem opções de planos trimestrais, semestrais e anuais. Com isso, ele pode sempre ter um aparelho de última geração com preços mais acessíveis. Os benefícios ficam mais vantajosos de acordo com a duração do plano.

História

A ideia do negócio surgiu quando o CEO, Cadu Guerra, participou de um curso de empreendedorismo criativo e saiu de lá com a convicção de que um dia iria mudar o consumo no mundo, possibilitando o acesso de produtos de alto valor ao máximo de pessoas possíveis. Logo após o curso, Cadu se juntou ao amigo Pedro Sant’anna e se inscreveram no programa Lemonade, que ajudava as empresas a entrarem no mercado.

No Lemonade, o Allugator se destacou e obteve várias premiações. A startup já atuou no setor de aluguel de diversas maneiras, começando com a intermediação do aluguel de produtos entre as pessoas, passando por um período em que focou no aluguel de equipamentos fotográficos, até o trabalho com a assinatura de equipamentos eletrônicos.

Plano

O plano anual oferece 40% no valor de varejo do aparelho. O usuário opta pelo plano, assina e, em seguida, escolhe o produto desejado. Por fim, o pagamento é realizado à vista ou por meio de doze parcelas através de boleto ou cartão de crédito.

A Allugator informa que os celulares são responsáveis por 84,4% dos produtos consumidos no site – o iPhone é o mais procurado. Gamers ocupam o próximo lugar com 7,3%, depois os acessórios como relógios inteligentes, com 6% e demais aparelhos com 2,3%.

Inovação

Cadu Guerra explica que o modelo de assinatura é a forma mais inteligente de ter um celular. Além de pagar um valor muito menor para ter o mesmo bem, tem muita praticidade: a pessoa não precisa se preocupar em revender o produto depois e, de quebra, tem proteção contra roubo, furto e danos. A startup é a maior empresa da América Latina de assinatura de eletrônicos. No mundo, fica atrás apenas da alemã Grover.