Setor portuário movimentou 1,152 bilhão de toneladas em 2020, aponta Antaq

O ranking de movimentação nos terminais de uso privado foi liderado pelo Terminal Marítimo de Ponta da Madeira, no Maranhão, que movimentou 191 milhões de toneladas

Foto: Reprodução

O setor portuário brasileiro movimentou 1,152 bilhão de toneladas em 2020, conforme dados do “Estatístico Aquaviário”, elaborado pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). O número representa um crescimento de 4,2% ante 2019.

O levantamento apontou que os terminais de uso privado movimentaram 760 milhões de toneladas, enquanto os portos organizados movimentaram 391 milhões. Se o recorte abranger o período entre 2010 e 2020, o crescimento na movimentação de cargas nos portos privados chegou a 39,9%, enquanto o de portos organizados ficou em 31,6%.

Bom desempenho

Para o diretor-geral da agência, Eduardo Nery, o resultado mostra um bom desempenho do setor, considerando a crise econômica desencadeada no ano passado em razão da pandemia de Covid-19. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, afirmou que o setor conseguiu apresentar respostas mesmo em um ano tão difícil.

Para Freitas, era necessário manter os portos e transporte funcionando, o que foi um dos grandes desafios de 2020. Mas, segundo ele, o desafio foi plenamente atendido e o setor conseguiu enfrentar a pandemia com a logística funcionando. O resultado mostra a capacidade de antecipação dos problemas, acrescentou o ministro.

Movimentação de cargas

A Antaq apresentou um ranking da movimentação de cargas nos terminais arrendados dos portos em 2020. Santos, em São Paulo, manteve a primeira posição, com movimentação de 114,4 milhões de toneladas – aumento de 7,7% -, seguido do Porto de Paranaguá, no Paraná, com 52,1 milhões de toneladas movimentadas – crescimento de 7,5% – e Itaguaí, no Rio de Janeiro, que movimentou 45,7 milhões de toneladas – aumento de 5,9%.

O ranking de movimentação nos terminais de uso privado foi liderado pelo Terminal Marítimo de Ponta da Madeira, no Maranhão, que movimentou 191 milhões de toneladas, tendo como principal produto o minério de ferro. Depois aparecem, respectivamente, o Terminal Aquaviário de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, com movimentação de 60 milhões, tendo como carga principal a de petróleo e derivado, e o Terminal de Tubarão, em Santa Catarina, com 56 milhões e minério de ferro como principal produto.

Cargas

A carga mais movimentada foi o minério de ferro, com um total de 356 milhões de toneladas. Em segundo lugar está a de petróleo e derivados, com 262 milhões de toneladas, seguida dos contêineres, que totalizaram 118,2 milhões de toneladas. A soja ficou em quarto lugar, com 104,2 milhões de toneladas movimentadas.

O maior destaque, sob o aspecto do perfil de cargas, foi o dos granéis líquidos, com crescimento de 14,8% em relação ao ano de 2019, demonstrando o vigor do pré-sal, conforme o levantamento. Também foram destaque as movimentações de exportação de óleos brutos de petróleo, que atingiram o crescimento de 18,8%.