Pix recebe aumento no limite de transferências e fica equivalente à TED

De acordo com o BC, os valores máximos continuarão a ser estabelecidos pelos bancos

Foto: Reprodução

O Banco Central (BC) modificou as normas usadas para transferências via Pix – sistema recém liberado para correntistas. O modelo segue o mesmo padrão já conhecido por usuários que fazem TEDs. A partir de agora, o sistema do BC passa a ter limites diários, que serão iguais aos da transferência eletrônica direta e do limite de cartão de débito.

Até fevereiro, antes das modificações, o limite de transferência era metade do teto oferecido para realizar uma TED. Hoje, a ideia é que passe a ser cobrado um percentual com base do limite diário e mensal para TED ou para a compra no cartão de débito.

Compatibilidade do limite

Cada instituição financeira deve atribuir seus valores percentuais às transferências. É importante ressaltar que isso considera o horário, o dia da semana, o canal usado e a titularidade da conta, tudo isso a fim de garantir a segurança do usuário. De acordo com o BC, os valores máximos continuarão a ser estabelecidos pelos bancos, o que mudou foi a compatibilidade do limite com as quantias fixadas para a TED e a compra no débito.

A partir do dia 1° de abril, segundo o BC, os clientes poderão gerenciar os limites do Pix no próprio aplicativo da instituição financeira. Atualmente, o correntista pode personalizar apenas os limites para a TED e o cartão de débito. O perfil do cliente é avaliado por cada instituição e, a partir disso, o aumento do limite é liberado ou não.