Mercado Livre planeja aplicar R$ 10 bilhões em investimentos no Brasil em 2021

Valor é equivalente ao aportado pela empresa no país nos últimos quatro anos

Foto: Reprodução

O Mercado Livre, empresa de compra e venda on-line, anunciou que vai investir R$ 10 bilhões no Brasil em 2021, para marcar posição em seu principal mercado, ao ver a América Latina como a região de maior crescimento do comércio eletrônico no mundo. Valor é equivalente ao aportado pela empresa no país nos últimos quatro anos.

O investimento, que deve ser voltado especialmente para a área de distribuição e logística, é mais que o dobro do desembolsado em 2020 (R$ 4 bilhões), e montante recorde na história da empresa, fundada em 1999. O valor supera ainda a média de desembolsos anuais dos concorrentes no país, como B2W, Magazine Luiza e Amazon.

Plano de expansão

O presidente de Commerce do Mercado Livre para a América Latina, Stelleo Tolda, afirmou que os recursos serão usados para dar sequência ao plano de expansão da malha logística, da conta Mercado Pago e da força competitiva do marketplace no Brasil, além de voltados também para iniciativas de impacto social e ambiental ao longo deste ano.

Tolda anunciou ainda que a empresa projeta a abertura de três novos centros de distribuição no Brasil neste ano, alcançando com isso, a marca de oito centrais. Há cerca de três anos, havia apenas uma. A companhia opera por meio do marketplace, com venda de produtos de terceiros e também de itens próprios em estoque.

O Mercado Livre, assim como a Amazon, têm anunciado investimentos bilionários em logística nos últimos meses para ganharem escala na América Latina, região onde o comércio on-line mais cresce no mundo, segundo dados da consultoria e-Marketer.

Faturamento

O anúncio veio com a divulgação dos resultados da companhia no quarto trimestre, que quase dobrou no período, indicando que o comércio on-line seguiu ganhando espaço, mesmo com flexibilização parcial do isolamento imposto para conter a Covid-19. A receita líquida somou US$ 1,3 bilhão de outubro a dezembro, alta anual de 96,9% em dólares.