Renault investe R$ 1,1 bi no Brasil e garante lançamentos de elétricos

Companhia afirmou que movimento é "estratégico" e que, além de investir na fábrica, pretende lançar cinco veículos no país até 2022, além de dois elétricos

Foto: Reprodução

Na contramão de montadoras como a Ford, a francesa Renault anunciou um investimento de R$ 1,1 bilhão no Brasil, mais especificamente em seu complexo industrial em São José dos Pinhais, no Paraná. O movimento estratégico envolve ainda o lançamento de cinco veículos no país até 2022, além de dois automóveis elétricos, segundo a companhia.

Para o CEO da empresa, Ricardo Yuji Gondo, fabricar um veículo no Brasil traz muitas “complexidades”, como a alta carga tributária e os altos custos logísticos e de fabricação, que comprometem a competitividade. Segundo ele, para se manterem competitivos no mercado brasileiro, devem investir continuamente na renovação dos produtos.

O novo aporte, anunciado pela direção da empresa, será aplicado em projetos que já estavam em andamento, como a renovação de cinco modelos da linha atual, a introdução do motor 1.3 turbo que será importado da Espanha (provavelmente para o utilitário-esportivo Duster) e na chegada de dois carros elétricos, um deles o novo Zoe.

Faz mais de um ano que a Renault testa o Zoe reestilizado no Brasil, sua versão atualizada contará com um motor mais potente e bateria maior. O aguardado Mégane eVision é a outra novidadeda montadora francesa, elétrico com porte de SUV que, por aqui, marcaria uma guinada na estratégia da Renault em produtos mais sofisticados.

Para Antônio Jorge Martins, coordenador acadêmico na FGV de Cursos Automotivos, a estratégia da Renault é ocupar uma parcela de pouco mais de 8% deixada pela Ford, além de se consolidar como uma fabricante de carros com motores de alta potência. Ele acredita que a montadora também quer ganhar mais tração no mercado brasileiro.

Apesar de o mercado não estar bem, investir no Brasil é um bom negócio porque é um dos países que apresenta os maiores potenciais de crescimento, avaliou Martins. Atualmente, há uma frota de cerca de 40 milhões de veículos para 210 milhões de habitantes, enquanto na Europa e nos Estados Unidos é de um veículo por habitante.