TikTok remove mais de 89 milhões de vídeos por violação; Brasil ocupa 3º no ranking

No mundo, entre as razões pelas quais os vídeos foram removidos do ar estão "segurança de menores" (36%) e "nudez e atividades sexuais de adultos" (20,5%)

Foto: Reprodução

Por violação das diretrizes ou termos de serviço do TikTok, o Brasil foi o 3º país com mais vídeos removidos da plataforma no 2º semestre de 2020. Cerca de 7,5 milhões de publicações de usuários brasileiros foram excluídos, como apontam dados do relatório de transparência divulgado pela rede social na quarta-feira (24).

Entre 1º de julho e 31 de dezembro, o total de 89.132.938 vídeos foram removidos do TikTok globalmente, o que representa 1% de todos os vídeos carregados no serviço. No mundo, entre as razões pelas quais os vídeos foram removidos do ar estão “segurança de menores” (36%) e “nudez e atividades sexuais de adultos” (20,5%).

Os cinco países que tiveram mais vídeos deletados por violação foram Estados Unidos (11.775.777), Paquistão (8.215.633), Brasil (7.506.599), Rússia (4.574.690) e Índia (3.860.156), respectivamente. O Brasil passou do 4º lugar, no primeiro semestre de 2020, para o 3º lugar. Até 30 de junho, foram removidas 5.525.783 vídeos originários do país.

Quanto ao momento da remoção, a rede social declarou ainda, por meio do relatório, que cerca de 92,4% dos vídeos foram removidos antes de um usuário reportá-los, já aproximadamente 83,3% foram removidos antes de receberem qualquer visualização e por volta de 93,5% foram removidos em menos 24 horas após serem publicados.

Motivos das remoções

Além disso, o relatório também detalhou quais foram as violações cometidas nos mais de 9,5 milhões de publicações apagadas. Veja os motivos:

  1. Segurança de menores: 36% dos posts foram apagados por descumprir essa regra, contra 22,3% no primeiro semestre de 2020;
  2. Nudez e atividades sexuais de adultos: dos vídeos removidos, 20,5% violaram essa política, contra 30,9% no primeiro semestre de 2020;
  3. Atividades ilegais e mercadorias regulamentadas: 17,9% dos vídeos removidos violaram essa regra, uma pequena redução dos 19,6% do primeiro semestre de 2020;
  4. Conteúdo violento e explícito: 8,1% quebraram esta regra em comparação com 8,7% no primeiro semestre de 2020;
  5. Assédio e bullying: 6,6% violaram essa política, contra 2,5% no primeiro semestre de 2020;
  6. Suicídio, autolesão e atos perigosos: 6,2% violaram essas políticas, o que representa uma redução de 13,4% do primeiro semestre de 2020;
  7. Integridade e autenticidade: 2,4% foram removidos por este tipo de violação, ante 1,2% no primeiro semestre de 2020;
  8. Comportamento de ódio: 2% dos vídeos removidos infringiram a regra, contra 0,8% no primeiro semestre de 2020;
  9. Extremismo violento: 0,3% violaram esta política, o que está de acordo com o conteúdo removido durante o primeiro semestre de 2020.