Conceito sustentável: startup lança primeira caixa de água mineral reutilizável do Brasil

Esta startup quer vender água em caixas de papelão – e você vai querer uma

Foto: Divulgação

Criada pelos empreendedores Fabiana Tchalian e Rodrigo Gedankien, a startup paulista Água na Caixa embarcou na mais recente tendência do mercado de água potável: oferecer a bebida em embalagem alternativa à garrafa plástica, mirando no público que prioriza não agredir o meio ambiente. Com a aposta de apelo sustentável, a startup contou com um aporte financeiro e fechou parceria com uma grande indústria de embalagens.

Os empreendedores observaram a tendência de água mineral envasada em caixinhas durante uma viagem para os Estados Unidos e decidiram aplicar o negócio no Brasil — foram dois anos para tirar o projeto do papel. A embalagem é totalmente reciclável e 82% da matéria-prima é renovável, feita de papel, plástico de cana-de-açúcar e alumínio.

De acordo com Tchalian, a Água na Caixa foi criada para atender as demandas de um novo consumidor, que busca soluções mais responsáveis para seu dia a dia. Ela explica que, como a ideia é incentivar o reuso, a caixinha tem um bocal maior para reabastecer com água. Além disso, também é possível personalizar com o nome da pessoa.

A startup é a primeira no país a envasar água em caixinha — feita com madeira de florestas certificadas — que é reutilizável, que até então eram comuns para envasar leite e suco de frutas. Segundo a empreendedora, há acordos fechados com restaurantes, uma companhia aérea e há conversas avançadas com redes de hotéis, como o Fasano.

Com capacidade de produção de 50 milhões de caixinhas por ano, o envase é feito em Pinhalzinho, no Circuito das Águas de São Paulo. Para Tchalian, o que tem de melhor de água mineral no Brasil vem de lá, então era importante também uma água de qualidade. A expectativa dos empresários é alcançar, pelo menos, mil pontos de venda em 2021.

Água que vale ouro

As embalagens reutilizáveis se tornaram em um mercado de US$ 10 bilhões, conforme a Fundação Ellen MacArthur. Tchalian afirma que reduzir o uso de plásticos fará parte de um novo modelo de negócio onde empresas deverão seguir critérios ambientais.

Mauricio Colombari, sócio da PwC Brasil e consultor dedicado à sustentabilidade, explica que o mercado de água sustentável no Brasil ainda é liderado pelas grandes corporações globais, mas há uma crescente demanda para que empresas nacionais criem soluções. Segundo ele, as embalagens, que tomam a inovação como base ainda são limitadas, o que gera uma infinidade de oportunidades para empresas que desejam investir no setor.