Estudo aponta maior risco de doenças neurológicas em pessoas infectadas pela Covid-19

Doenças que incluem declínio cognitivo e demência, alzheimer, , além de Parkinson

Foto: Reprodução

Uma notícia publicada recentemente pelo jornal Alzheimer’s Association, no início do mês, deixou milhares de pessoas preocupadas. A descoberta está ligada à Covid-19, que pode aumentar o risco de problemas neurológicos de longo prazo, incluindo declínio cognitivo e demência, Alzheimer, além de Parkinson, resultado obtido após acompanhar infectados pelo novo coronavírus durante seis, nove e dezoito meses.

Os cientistas chegaram a essa conclusão ao identificarem que o Sars-Cov-2 é um vírus neutrópico, sendo capaz de infectar as células nervosas do corpo humano e, consequentemente, são desenvolvidos sintomas de leves a graves no sistema, como,inchaços cerebrais, paralisia e até a morte.

O vírus afeta o cérebro e o sistema nervoso

A fim de intensificar as pesquisas sobre o estado de um paciente que foi infectado, os cientistas ainda buscam maiores informações. Gabriel de Erausquin, principal autor do estudo, explicou que desde a pandemia de gripe de 1917 e 1918, muitas das doenças semelhantes à gripe foram associados a distúrbios cerebrais. O vírus Sars-Cov-2 também é conhecido por afetar o cérebro e o sistema nervoso.

Diante de tais informações, a Alzheimer’s Association e representantes de mais de 30 países — sob orientação, permissão e acompanhamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) — desenvolveram um consórcio internacional e iniciaram estudos em busca de descobrir as consequências de curto e longo prazo do vírus no sistema nervoso central.

Assintomáticos podem ter problemas mais graves

Os cientistas ressaltam que os maiores riscos ligados ao cérebro podem gerar problemas mais graves para os assintomáticos, quase 80% dos infectados, segundo a OMS. Segundo eles, no caso de desenvolverem futuros problemas neurológicos, não chegariam a sua devida causa, já que não teriam confirmado a infecção pelo vírus.