Exportação de café do Brasil bate recorde de 44,5 mi sacas em 2020, aponta Cecafé

Vendas cresceram 9,4% com relação ao ano anterior, atingindo 44,5 milhões de sacas de 60 kg

Foto: Reprodução

Os embarques brasileiros de café bateram recorde de 44,5 milhões de sacas de 60 kg em 2020, considerando a soma dos produtos verde, solúvel e torrado & moído, informou o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), com o resultado impulsionado pela demanda firme, apesar da pandemia de Covid-19 e um dólar favorável às vendas.

A tendência aponta que o ritmo de exportações permaneça, mas podem ocorrer efeitos do ciclo de baixa da cultura e da longa estiagem ocorrida no ano passado, que ainda serão avaliados, de acordo com Nelson Carvalhaes, presidente do Cecafé. Segundo ele, ainda há café suficiente para atender os mercados, mas é importante esperar até fevereiro e março para obter um número mais seguro em relação aos estoques e safra.

Em relação ao ano anterior, as exportações registraram alta de 9,4%. Do volume total embarcado em 2020, 40,4 milhões de sacas foram de café verde, aumento de 10,2% comparado a 2019. As exportações dos cafés verdes totalizaram 35,5 milhões de sacas no ano passado, alta de 8,4% ante 2019 e recorde histórico para essa variedade.

Já os embarques da variedade robusta atingiram 4,9 milhões de sacas, crescimento de 24,3% e também maior volume embarcado na história, ainda conforme os dados divulgados pelo Cecafé. Enquanto as exportações de café solúvel foram de 4,1 milhões de sacas, alta de 2,4% e volume recorde do produto industrializado.

Em dezembro, segundo o Cecafé, o Brasil exportou 4,3 milhões de sacas de café para o mundo, dado que representa também um recorde histórico em volume exportado para o mês, além do aumento de 38,6% no comparativo anual. A receita cambial gerada no período foi de 541 milhões de dólares, crescimento de 37,1% e equivalente a 2,8 bilhões de reais, representando alta de 71,7% na conversão em reais.

O presidente da entidade explicou que, devido à pandemia da Covid-19, o setor passa por um período desafiador e, ao mesmo tempo, com uma de suas maiores safras, batendo um recorde histórico. Segundo ele, houve uma mudança na dinâmica de consumo, que fez com que a população parasse de frequentar as cafeterias, mas não parasse de tomar café. Além do consumo em casa, também avançaram novas modalidades de venda, como a on-line.

A receita cambial com as exportações de café em 2020 alcançou 5,6 bilhões de dólares, alta de 10,3% em relação a 2019 e equivalente a R$ 29 bilhões, representando alta de 44,1% na conversão em moeda local, segundo o Cecafé. O conselho afirmou que o setor teve participação de 5,6% nas exportações do agronegócio e de 2,7% nos embarques totais do país. Já o preço médio da saca no ano foi de 126,52 dólares.