Técnica de edição de genes pode auxiliar na regressão do envelhecimento celular

Essa técnica pode prevenir doenças associadas à senescência celular

Foto: Reprodução

Cientistas chineses da Academia Chinesa de Ciências desenvolveram um método de retardar a progressão do envelhecimento. O processo se dá por meio de genes que são tratados com uma técnica de edição, desativando esses genes – foram identificados mais de 100 – é possível prevenir doenças associadas à senescência celular, que é a principal impulsionadora do envelhecimento do organismo por se tratar de um estado de interrupção permanente do crescimento.

O estudo usou ratos idosos e constatou a redução de proporção de células envelhecidas no fígado dos testados, essa comprovação pode ser afirmada de acordo com o estudo publicado na Science Translational Medicine. Por meio deste processo, foi possível prolongar a vida das cobaias.

CRISPR

Os cientistas usaram a CRISPR (técnica que corta e edita o DNA) em células-tronco humanas que mostravam envelhecimento prematuro. Foi notado o retardo dos genes durante à promoção da senescência, os efeitos relacionados a progressão do envelhecimento foram atenuados durante esse processo.

É importante dar o devido destaque ao gene KAT7 (enzima histona acetiltransfases) que foi o principal impulsionador no alívio da senescência celular, o que foi informado por Zhang Weiqi, pesquisador do Instituto de Genômica de Pequim.

Codificando o KAT7

As células senescêntes e pró-inflamatórias do fígado passam a ser reduzidas por meio do tratamento com injeção intravenosa, utilizando um vetor lentiviral que codifica o KAT7.

Segundo os cientistas, este estudo não apenas aprofunda a compreensão do mecanismo de envelhecimento, mas também fornece novos alvos potenciais para uma intervenção.