SAP receberá crédito oferecido pela Kobold

O crédito oferecido pela Kobold é de R$ 1 bilhão

Foto: Reprodução

A SAP, empresa de tecnologia no Brasil deve receber um aporte de R$ 1 bilhão após fechar parceria com a gestora de crédito Kobold. Os planos da gestora para 2021 envolve levantar R$ 5 bilhões em um fundo de investimento em direitos creditórios (FIDC), desse valor que será destinado o aporte à Sap, que conta com 700 distribuidores e 15 mil clientes.

A ideia por trás da parceria é fortalecer as vendas, fazendo com que o crédito seja um facilitador na concentração dos produtos e serviços. O fundador e CEO da Kobold, Fernando Ribeiro explica que no esquema anterior, quando o cliente SAP precisava tomar um crédito em um banco para adquirir esses produtos, isso poderia levar até 15 dias para ser aprovado e tinha um custo entre 1,2% e 1,4% ao mês, mais IOF.

Taxa total de 0,85%

Ele ainda acrescenta que com a solução da Kobold, o crédito sai na hora, com uma taxa total de 0,85%. A expectativa é que o prazo médio das operações fique em torno de seis meses.

Segundo Ribeiro, o resultado dessa análise é uma precificação mais justa do risco e um enorme ganho de eficiência para todo o ecossistema, dando um tratamento isonômico aos clientes, independentemente do tamanho da empresa. A Kabold usa a tecnologia com algoritmos capazes de capturar em tempo real as transações, reduzindo os possíveis riscos.

Oportunidades de negócios

No processo de escolhas dos parceiros, a Kobald foi escolhida ela consultoria CFO Hub, contratada da SAP. De acordo com diretor financeiro da SAP Brasil, Paulo Mendes, o cenário atual demanda opções de crédito eficientes e competitivas, por isso estão confiantes que a parceria com a Kobold vai gerar oportunidades de negócios ao ecossistema de canais e para os clientes finais.

86% das empresas clientes da SAP compõem a Ibovespa, revela Ribeiro. Ao mesmo tempo, 80% dos novos clientes são pequenas e médias empresas, como restaurantes, escritórios de advocacia e startups, que têm mais dificuldade em financiar a compra dos produtos. O que estão fazendo, no fim, é harmonizar um descasamento que havia no fluxo e caixas desses clientes.