Leilão da 6º rodada de concessões de aeroportos poderá ser feito em 26 de março

O Tribunal de Contas da União aprovou o leilão nesta terça-feira

Foto: Reprodução

Segundo o secretário nacional de aviação civil do Ministério de Infraestrutura, Ronei Glanzmann, o leilão da sexta rodada de concessões de aeroportos pode acontecer no dia 26 de março de 2021. 

No entanto, segundo o Valor Econômico, para que a previsão se concretize, será preciso cumprir algumas etapas. A primeira delas já foi cumprida: a reunião do Tribunal de Contas da União (TCU), que discutiu e aprovou o leilão nesta terça-feira (8). 

O leilão irá ofertar três blocos regionais: o bloco Sul, que prevê investimentos de R$ 2,847 bilhões; o bloco Norte, com R$ 1,478 bilhão em obras; e o Central, com R$ 1,8 bilhão.

Devido à pandemia, que afetou com força o setor de aeroportos, o governo teve que rever estudos do leilão. Os investimentos previstos tiveram que ser reduzidos. De um total de R$ 6,976 bilhões, o valor caiu para R$ 6,126 bilhões. O WACC (custo de capital da empresa, usado para medir o retorno dos investimentos feitos) se manteve.

O leilão deverá ter competição e será uma oportunidade para grupos “comprarem na baixa” — ou seja, aproveitar a reprecificação dos ativos, devido à pandemia, para fazer um bom negócio. A sexta rodada não deverá ser tão competitiva quanto a quarta e quinta rodadas, mas deverá ser acirrada. É uma boa oportunidade para fincar a bandeira no mercado brasileiro.

A sétima rodada deverá incluir aeroportos bastante atrativos, como Santos Dumont e Congonhas. De acordo com o Valor Econômico, “a perspectiva é realizar os estudos na primeira metade de 2021, abrir audiências públicas no terceiro trimestre e levar o projeto ao TCU no fim do ano. A publicação do edital poderá ser lançada no primeiro trimestre de 2022, para que o leilão possa ser realizado no segundo trimestre”.