Vendas de notebooks crescem e de tablets caem na pandemia

O segmento de tablets de entrada, com valores até R$ 699 foi o mais penalizado, com queda de 41% nas vendas no 3º trimestre

Foto: Reprodução

O brasileiro preferiu o notebook ao tablet para o trabalho remoto e as aulas on-line na pandemia. Enquanto as vendas de computadores avançaram 9,9% no terceiro trimestre, puxadas pelos notebooks no varejo, as vendas de tablets caíram 16,5% no período, na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, aponta a consultoria IDC Brasil

O segmento de tablets de entrada, com valores até R$ 699 foi o mais penalizado, com queda de 41% nas vendas no 3º trimestre. Rodrigo Pereira, analista de mercado da IDC Brasil, explica que o mercado foi pressionado pela alta do dólar e ainda sentiu reflexos do fechamento de fábricas locais, no início da pandemia. Segundo ele, alguns fabricantes decidiram migrar a oferta para tablets intermediários em modelos com telas de 10 polegadas.

No geral, os fabricantes de tablets venderam 747,8 mil unidades ao varejo, entre julho e setembro. Por outro lado, tablets intermediários e premium, com preços entre R$ 700 e R$ 2.999, tiveram alta de 55% em vendas no período. Lançamentos no terceiro trimestre, como do iPad, da Apple, ajudaram a aquecer as vendas de modelos anteriores, que têm redução de preços.