E-commerce é a nova aposta da Cielo

O volume capturado via e-commerce cresceu 120% em 12 meses, até outubro

Foto: reprodução

As expectativas da Cielo para as vendas no e-commerce durante a Black Friday deste ano já superam o ano passado, no mesmo período. Em 2019, a data foi a melhor em resultados para o segmento. Paulo Caffarelli, presidente da companhia explica que o volume capturado via e-commerce cresceu 120% em 12 meses, até outubro – excluindo-se o segmento de turismo e transporte, bastante afetado pela pandemia do coronavírus. Mas, mesmo ao incluir estes setores, houve avanço de 18%.

O e-commerce teve avanço 15% a 18% em um ano

O avanço nas transações totais por meio da participação do e-commerce foi de 15% a 18% no período de um ano. Caffarelli diz apostar que com a Black Friday haja incremento nesta participação e que possa superar os 20% em comparação com as demais transações da Cielo. Para ele, o Pix deve contribuir como efeito marginal, refletindo na melhoria desse movimento.

De acordo com Caffarelli, mais consumidores já se habituaram a usar o e-commerce. Até mesmo as agências de turismo e empresas aéreas podem mostrar recuperação. Recentemente, ele estava no aeroporto de Brasília e nunca viu tão lotado. Havia um represamento que agora deve ajudar nas vendas. O auxílio emergencial, mesmo próximo de sua etapa final vem deixando os executivos esperançosos e acreditam que com bons descontos esse valor pode ser destinado para aproveitar a Black Friday.

40% em investimentos voltados à tecnologia

Comparado ao ano de 2019, nesse ano, mesmo em crise econômica, a Cielo aumentou os investimentos em 40% em tecnologia. Foi investido R$ 40 milhões para melhorias da infraestrutura e aumento do processamento das transações. A Cielo acredita atingir mais de 11 vezes o volume de transações de pico histórico e quase cinco vezes o volume de todo o mercado brasileiro no pico.

Além de dispor mais de 14 mil transações por segundo, houve redução no tempo de resposta de operações do e-commerce, que era de 1.465 milissegundos para 931 milissegundos. Entre os contribuintes para essa rapidez e eficiência nas transações estão dois data centers e serviço de nuvem: um em São Paulo e outro no Rio de Janeiro.