Realidade virtual deve reforçar treinamento de policiais nos EUA

A ideia pensada pela Axon, companhia americana, busca diminuir confrontos violentos e abordagens perigosas

Foto: reprodução

A companhia americana Axon passará a investir na realidade virtual buscando melhoria e maior segurança durante abordagens policiais. Após alguns casos de violência no decorrer das revistas, a ideia é conscientizar e reeducar o comportamento dos oficiais e, consequentemente, evitar que as abordagens saiam do controle. Por enquanto, o treinamento vem sendo aplicado apenas em um departamento policial no estado da Vírginia.

Abordagem de pessoas com transtorno de comportamento

A partir dos treinamentos aplicados por meio da realidade virtual, o policial será instruído a como se comportar ao abordar pessoas com algum transtorno de comportamento. O objetivo é lidar com o outro de maneira correta, dentro da lei, mas não esquecendo a empatia com o próximo.

Cerca de 10% dos confrontos são ligados a indivíduos que lidam com alguma desordem mental, como o autismo, esquizofrenia ou tendências suicidas. O uso da realidade virtual, apesar de ainda não conseguir explicar alguns cenários, é uma forma de diminuir desfechos trágicos, alerta a Axon.

Confronto com civis

Lonnie Conner, tenente do departamento de polícia de Straburg, Virgínia, explica que os óculos VR também conseguem similar situações onde os oficiais devem decidir o que fazer quando são confrontados diretamente por civis. Conner faz uma comparação direta da ferramenta com os jogos compatíveis com realidade virtual.

Para o futuro, a companhia pretende desenvolver módulos mais avançados de simulação. Com o progresso, a possibilidade de abordagens perigosas de pessoas com limitações de ordem física ou mental cairá significativamente.