Loja de produtos sustentáveis triplica vendas no e-commerce

Necessidade de diminuir descarte de resíduos no meio ambiente gera oportunidades de negócios para empreendedores engajados

Foto: Reprodução

Em 2017, Lori Vargas fez uma viagem à Europa para pesquisar negócios revolucionários de desperdício zero. Voltou convencida de que havia ali uma oportunidade e de que abriria algo com esse viés no Brasil. Assim, nasceu a loja de produtos sustentáveis Mapeei, que teve suas vendas no e-commerce triplicadas em meio à pandemia de Covid-19.

A empresária investiu R$ 100 mil para abrir o negócio e, atualmente, são mais de 400 itens lixo zero. O objetivo é fornecer produtos e ferramentas que possibilitem uma vida com menos embalagens: há de cosméticos em barras a itens como marmitas, copos e canudos reutilizáveis. A maioria dos produtos são comprados de pequenos fornecedores.

A loja é um espaço de seis metros quadrados em uma galeria da Rua Augusta, próximo da Avenida Paulista, em São Paulo. E, nem mesmo as máquinas de cartão usam bobinas de papel — os comprovantes são enviados de forma eletrônica. Apesar da alta no e-commerce, o negócio teve queda no faturamento devido ao isolamento social.

Lori Vargas explica que empreendedores com este propósito ingressam no mercado visando criar uma economia mais limpa, sem embalagens plásticas e oferecendo produtos naturais ou biodegradáveis para serem consumidos até o fim, sem implicar em descarte. Segundo ela, apenas 1% dos produtos da loja física possui plásticos duráveis. 

A logística para atender os pedidos que chegam pela internet segue o mesmo protocolo: zero plástico. As encomendas são enviadas apenas com papel e papelão reutilizável. Até os produtos mais frágeis chegam sem o temido plástico-bolha. Tais produtos causam menos impactos em rios e oceanos, como também ao solo, subsolo e lençóis freáticos.

De acordo com o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, realizado pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), o Brasil gerou 79 milhões de toneladas de lixo em 2018. Em média, cada cidadão produziu 380 quilos de resíduos sólidos urbanos, totalizando 1 quilo por dia.