PEE fomenta geração de empregos e geração de renda no Maranhão

O governo pretende injetar, até o fim do ano, R$ 558 milhões na economia

Foto: reprodução

Com a economia maranhense enfrentando dias difíceis em decorrência da pandemia causada pelo novo coronavírus, o governo do Maranhão criou o Plano Emergencial de Empregos (PEE) Celso Furtado que se tornou uma mão na roda para o setor econômico. Até agora, o valor executado no estado gira em torno de R$ 221 milhões, mas o esperado até o fim do ano é que o aporte chegue ao valor de R$ 558 milhões.

Criação de novos empregos

O objetivo do PEE, criado pelo governo maranhense, tende a fomentar a criação de novas oportunidades de emprego no estado. Por meio da geração de empregos, o governo pretende gerar renda significativa até o fim do ano.

O governador do estado do Maranhão, Flávio Dino, declarou em sua última coletiva de imprensa, na sexta-feira (2) que o Plano Emergencial de Empregos Celso Furtado é a resposta maranhense às dificuldades econômicas que o Brasil atravessa.

Combate aos efeitos recessivos em nível nacional

Segundo ele, o plano visa, sobretudo, ativar a economia, oportunidades para as empresas locais, geração de empregos, movimentação do comércio e do serviço. Para que, com isso, seja possível combater os efeitos recessivos em nível nacional.

Dino ressaltou que já antes da crise enfrentada pelo estado e pelo país, o Maranhão já passava por momentos turbulentos, no ano passado, antes do coronavírus, o Brasil teve crescimento de 1%, mostrando que já havia debilidade econômica. E, agora, com esse cenário sanitário, essas debilidades ficaram mais evidentes ainda.