Saiba como funciona o PIX

Começa nesta segunda-feira o cadastro do sistema de pagamentos instantâneos criado pelo Banco Central

Nesta segunda-feira (5), começou o cadastro para usar o PIX, um sistema de pagamentos instantâneos criado pelo Banco Central. A partir de novembro, a ferramenta vai permitir transferência de dinheiro sem custo para o cliente (por determinação, o PIX terá que ser gratuito para pessoas físicas) e também, com mais rapidez. Diferente das transferências por DOC e TED ou pagamentos por boletos, que demoram muito mais, com o PIX, em menos de 10 segundos, o dinheiro cai na conta da outra pessoa. 

Outra grande mudança é a disponibilidade do meio de pagamento. Com o PIX, as transferências podem ser feitas qualquer dia e horário. Também haverá uma maior facilidade. Por exemplo, para fazer o TED, é preciso saber o código do banco do destinatário, agência, conta, número de CPF, nome completo, além de precisar informar se o depósito deve ser feito em uma conta corrente ou conta poupança. No PIX, será preciso informar apenas a chave PIX do destinatário. 

A chave PIX pode ser o CPF (ou CNPJ, no caso das empresas), o número de celular ou email. No cadastro, o usuário pode escolher qual chave quer cadastrar para qual instituição. A mesma chave não pode estar cadastrada em mais de um lugar ao mesmo tempo. 

Para fazer pagamentos em lojas, será possível utilizar um QR Code. O cliente precisará apenas de um celular conectado à internet para ler o código e confirmar o pagamento.