Ela largou o emprego para se tornar mãe e dona de um negócio milionário

Atualmente, Hashiba possui 52% de participação da VisasQ com mais de 110.000 mil consultores registrados

Eiko Hashiba, co-fundadora da VisasQ (foto: reprodução)

De contratada a dona do seu próprio negócio, Eiko Hashiba viu sua vida mudar da água para o vinho logo após engravidar. Ela, que trabalhava no Goldman Sachs, em Tóquio, precisou abrir mão do emprego logo que deu a luz.

Aos 23 anos, a pergunta que frequentemente ecoava em sua mente era: porque abrir mão de trabalhar somente por ter me tornado mãe? Hashiba passou a perceber que não havia maneiras mais flexíveis para as mulheres permanecerem trabalhando no Japão depois de se tornarem mães.

Mas o cenário mudou dez anos depois de ter deixado seu antigo emprego. Hashiba torna-se co-fundadora da VisasQ, empresa que cuida de um grupo de vendedores externos, semelhante à forma que funcionam a McKinsey & Co. Ela relata que teve seu bebê no início da carreira e queria algum tipo de trabalho que pudesse continuar, não importa o quê. Daí surgiu a VisasQ que é um serviço que aumenta a capacidade de trabalho de uma pessoa.

Dona e proprietária de 52% da VisasQ

Em 2002, quando precisou deixar sua antiga empresa, a CEO jamais imaginaria que se tornaria multimilionária, com participação de 52% na empresa atual. Em março, as ações da VisasQ subiram 95% na Bolsa de Valores de Tóquio. Essa disparada de ações fez a empresa atingir a marca de US$ 238 milhões. Hashiba relata que o quadro de consultores registrados é composto por mais de 110.000 pessoas.

Segundo ela, sua experiência como mãe trabalhadora a fez perceber qur deveria haver indivíduos que gostariam de trabalhar como consultores independentes. Hashiba integra o seleto grupo de mulheres que são CEO de empresas no Japão, de acordo com uma pesquisa da Bloomberg, apenas 11 das 2.076 empresas listadas que divulgaram informações, ou menos de 1% tinham uma mulher como CEO no ano fiscal passado.

Preconceito com uma mulher à frente dos negócios

Mesmo empenhada a conquistar altos lugares no mercado de trabalho, ela precisou enfrentar o preconceito de gênero que existe no país asiático. Ela conta que os homens ali questionavam sua capacidade por ser mulher, eles disseram que a taxa de sucesso era baixa, atitude que a levou a provar que estavam errados. Antes de fundar a VisasQ, a executiva passou pela L’Oreal e pela empresa japonesa de private equity Unison Capital.

O chefe de divisão da Yanmar Holdings, Yukio Terakawa expressou seu desejo de permanecer sendo consultor da VisasQ mesmo após se aposentar. De acordo com ele, todos os anos que se passaram fazendo vários tipos de trabalho duro como ‘assalariado’ não foram à toa. Seu desejo é continuar usando sua experiência, pois será bom para a sua vida após a aposentadoria.

Oportunidades

Quem também demonstra satisfação em utilizar os serviços da VisasQ é Daichi Mamada, que trabalha para a Mitsubishi Electric, para ele, foi uma experiência de alto valor, pois pôde obter muitas informações e conhecimentos. O serviço de consultoria lhe permitiu entrar em contato direto com pessoas que não conseguiria alcançar sozinho.

Estamos nos estágios iniciais de crescimento. Seu sonho é que todos os que trabalham duro, mesmo aqueles que tem experiência, mas atualmente não trabalham em tempo integral, se inscrevam na VisasQ, finaliza Hashiba.