Megainvestidor aposta suas fichas na área de saúde

Cofundador da Kaszek e fundador do mercado livre vê uma segunda onda de crescimento para fintechs

Foto: reprodução

O cofundador da Kaszek, maior gestora de capital de risco da América Latina, o argentino Hernan Kazah, é também fundador da plataforma de comércio eletrônico Mercado Livre, primeiro investidor institucional a acreditar no Nubank e já tem mais três ou quatro unicórnios brasileiros em carteira. 

Iniciado do mercado de tecnologia, está acostumado a fazer apostas arriscadas. Segundo o Valor, “mesmo quando o capital e os ativos eram escassos na região, duas décadas atrás”. Agora, sobra capital vindo de outros fundos de risco e a pandemia acendeu ainda mais o interesse por empresas do setor. 

Em entrevista ao Valor, Kazah afirma que a covid empurrou os setores de saúde e educação para a era digital. Eram dois setores onde a tecnologia tinha feito pouco até agora, mas que a pandemia provocou uma mudança relevante de uma hora para outra. 

Como exemplo, Kazah cita a rápida aprovação de telemedicina no Brasil, durante a quarentena, e o acesso a cursos internacionais, que antes, só eram disponibilizados presencialmente. 

Segundo ele, em saúde, havia avanço tecnológico em tratamentos e vacinas, mas muito pouco no gerenciamento do negócios e no relacionamento entre paciente e médico. De acordo com Kazah, agora que todo mundo foi para o remoto por necessidade, viu-se alguma vantagem, o que vai direcionar para um modelo mais híbrido no pós pandemia, de tradicional e digital. 

Além das startups do setor de saúde e educação, a Kaszek vai continuar investindo no setor financeiro. Segundo reportagem do Valor, a gestora “levantou dois fundos no ano passado, no montante de US$ 600 milhões, dos quais cerca de US$ 480 milhões ainda estão no caixa para investir”.

Kazah vê uma segunda onda de crescimento para as fintechs. De acordo com ele, o começo foi muito conectado com o consumidor, com produtos e serviços para o usuário final. Entrou-se agora numa segunda onda, ligada à infraestrutura do sistema financeiro. 

Para Kazah, tudo até o momento, foi construído com tecnologia antiga e informações segmentadas de banco em banco. Agora, os investimentos e as startups começam a facilitar esse fluxo de informações e de dinheiro, com nova infraestrutura, como consolidação de dados entre contas, por exemplo. 

A Kaszek também reserva parte do capital para acompanhar novas rodadas de captação de empresas que já tem no portfólio. Por exemplo, o Nubank anunciou recentemente uma captação de US$ 300 milhões e a Kaszek acompanhou.