Empreendimento bilionário em Tutoia para gerar energia limpa e ecológica

Seinc e Vila Energia Renovável trabalham para viabilizar projeto com energia eólica

Na semana passada, o secretário da Secretaria de Indústria, Comércio e EnergiaSimplício Araújo se reuniu com representantes da Vila Energia Renovável para debater sobre o potencial eólico do Maranhão e o fomento ao novo empreendimento da empresa no litoral Maranhense.

Na reunião, a Vila Energia Renovável apresentou à Seinc seus projetos eólicos com atuação existente atualmente, em estados como Bahia e Rio Grande do Norte. No Maranhão, a empresa tem projeto adiantado com potencial de capacidade de geração de energia em até 254 MW, com propostas para o município de Tutoia.

Simplício Araújo falou sobre a importância do diálogo com a classe empresarial referente à energia eólica, ressaltando a qualidade em geração deste tipo de energia no Estado. Segundo ele, o Maranhão tem vivido um momento único na geração de energia. Nos últimos anos, através do Governo do Estado, a Omega Energia, por exemplo, reforçou a implantação do primeiro parque eólico do estado. Não só está sendo expandida a capacidade de geração de energia, como se está constantemente buscando ações que ampliem os investimentos no Estado. 

Primeira usina eólica do Estado e com capacidade atual para abastecer 2,5 milhões de residências. o Complexo Eólico Delta Maranhão fica localizado em Paulino Neves e Barreirinhas, com capacidade de 426 MW e composta por 15 empreendimentos. São 136 aerogeradores e 12 parques em operação. O investimento inicial foi de R$ 1,5 bilhão. Em 2018, foram mais R$ 500 milhões para ampliação, 

Segundo Simplício, o investimento em energia, no parque eólico especificamente, impacta no mercado de trabalho do Maranhão. Já foram gerados, aproximadamente, 4 mil empregos diretos e indiretos. 

O Maranhão é considerado um dos estados brasileiros com maior potencial de geração de energia eólica. No período de janeiro a agosto de 2019, a geração de energia pela força dos ventos cresceu 33,3%, com geração de 122,5 MW médios – no mesmo período de 2018, foram 91,9 MW médios.