Produção de carros elétricos desencadeia corrida pelo níquel

A Vale, maior produtora global de níquel, busca parceiros para o desenvolvimento de baterias para os veículos

A produção de carros elétricos vem crescendo, o que desencadeou uma “corrida ao níquel”. O metal é essencial na produção de baterias para os automóveis. Segundo o Época Negócios, essa corrida pode colocar o Brasil no centro do mapa global da indústria, que tem alto potencial de crescimento de acordo com cálculos de investidores e da Agência Internacional de Energia (AIE). 

A Vale, maior produtora global de níquel, está em busca de parceiros para desenvolver baterias. Ainda segundo reportagem do Época Negócios,  o fundador da Tesla, Elon Musk, acenou recentemente a possibilidade um contrato para a mineradora, “capaz de oferecer níquel a preço baixo e mínimo impacto ambiental”. 

As ações da fabricante de carro elétrico acumulam alta superior a 400% este ano na Bolsa de Nova York. Além da Vale, o mercado de produção de níquel é disputado por mineradoras como a australiana BHP e a russa Norilsk Nickel.

O mercado de carros elétricos tem projeções otimistas. Segundo a AIE, o total de veículos em circulação do mundo deve saltar de 9,4 milhões de unidades para 135 milhões em dez anos. O cenário esperado para o Brasil também é de rápida expansão.

O Brasil tem condições de ganhar importância no cenário mundial de níquel. Segundo estimativa da Agência Nacional de Mineração (ANM), a produção de níquel puro no país deve pular das 65.254 toneladas anuais para algo entre 140 mil e 150 mil toneladas em cinco anos. 

Ainda de acordo com a ANM, a projeção faz parte de um cenário otimista com a entrada de projetos e a reativação de minas. A produção no Brasil fica atrás da Indonésia, Filipinas, Rússia, Nova Caledônia, Canadá, Austrália e China.