Movimento Capitalismo Consciente alerta sobre mudanças econômicas no mundo pós-crise

Idealizar apenas o crescimento financeiro não pode ser um dos pilares de um negócio

Foto: reprodução

A pandemia chegou sem ser convidada e nem avisou o desastre que causaria em diversos segmentos, além do principal, ceifar milhares e milhares de vida. Hoje, o mundo enfrenta uma grande crise financeira, mas a questão é: o mundo pós pandemia será diferente?

Essa pergunta é algo que a defensora do Movimento Capitalismo Consciente e especialista nas áreas de liderança e igualdade de gênero, Nilima Bhat se faz e joga para a humanidade. Segundo ela, se voltarmos ao que éramos antes da pandemia, sem nenhum tipo de mudança, isso será simplesmente triste.

Em entrevista concedida à Época Negócios, durante o Festival Alma, realizado pelo Grupo Anga, Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICCB) e Sistema B, com curadoria da startup Humanizadas, Nilima falou um pouco a respeito da situação que vive e deve enfrentar o mundo nos próximos meses, após essa diminuição de casos de contaminados pelo coronavírus.

Com a invasão da pandemia, sem que ninguém esperasse, sem que empresas e empresários pudessem gerenciar uma crise repentina, o conceito do Capitalismo Consciente se tornou evidente e urgente durante a pandemia, explica Nilima.

Pensar em novas alternativas

Para ela, agora, é necessário pensar em novas alternativas e isso dá gosto de acreditar que o capitalismo consciente é uma delas. Esse é o exato momento de se auto avaliar e avaliar, também, os futuros negócios e sua importância no mercado de trabalho, imaginando todas as circunstâncias possíveis, depois desse período caótico que toda a economia enfrenta.

Sentimos que o planeta grita por cuidado e atenção, e quem pensa que empresas não podem ajudar, se enganam, Nilima acredita que as empresas que estejam menos ligada a esse propósito, serão as primeiras a fecharem suas portas. Ela ressalta que não é suficiente mudar o negócio, mas o ambiente que ele está inserido.

Pensar fora da casinha é um ótimo macete, idealizar apenas o crescimento financeiro não pode ser um dos pilares de um negócio. Enquanto dinheiro for a prioridade para a economia, vamos viver uma pandemia atrás da outra.

Mudança de estado

O curso natural da cadeia financeira e, até mesmo do modelo de vida será evoluir diversas ideias ligadas ao campo econômico. O mundo está passando para uma nova fase, um momento de mudança de estado.

Para que novos ideais apareçam, velhos paradigmas devem deixar de existir, e isso é importante para o crescimento. A pandemia mostrou isso, a urgência em se adaptar e mudar velhos modelos de trabalho, por exemplo, é importante e necessário que exista essa evolução.

Ótimo desempenho de países liderados por mulheres

Nilima explica a questão do sucesso ao combate do coronavírus em países liderados por mulheres, para ela, quando uma mulher está enfrentando uma crise, ela vai tentar proteger todos.

Vai se certificar de que todas as crianças estão sendo bem cuidadas (líderes da Nova Zelândia, Alemanha e Dinamarca) tomaram atitudes para cuidar das pessoas. Enquanto líderes homens talvez tendam a pensar em outras questões durante esses momentos, como em possíveis crises econômicas, por exemplo.

Alguns países, menos desenvolvidos, por exemplo, mulheres não se destacam tanto e chegam a ser as principais vítimas da crise econômica, Nilima diz que os líderes vão ter que entender que precisam de mulheres na sua força de trabalho, inclusive, dentro da liderança. Então, as empresas precisam trabalhar para facilitar a entrada dessas profissionais, criando programas de diversidade com metas dentro do negócio.

Mudanças pós-crise são necessárias

Quando questionada se ela realmente acredita que haverá mudança para melhor após essa crise, ela aconselha que não desperdicem a crise. Se voltarmos à realidade de antes da pandemia, sem nenhum tipo de mudança, isso será simplesmente triste. Então, ela acredita que líderes tem essa oportunidade para olhar e criar um mundo mais igualitário, gente disposta a fazer as coisas de uma maneira diferente.