Renda Brasil, substituto do Bolsa Família, ganhará aplicativo

O programa Baixa Renda passa a exercer a função do Bolsa Família

Foto: reprodução

Os beneficiários do Bolsa Família passarão a fazer parte do novo programa proposto pelo governo Bolsonaro, o Renda Brasil que passa a exercer o papel do Bolsa Família, projeto criado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante seu mandato, em 2004. O próximo passo é a criação de um aplicativo, por meio deste, serão realizados os processos de aceleração do Renda Brasil.

App Renda Brasil baseado no App Auxílio Emergencial

No caso de prorrogação, o auxílio emergencial também passa a integrar o grupo de programas assistenciais do governo, além dos programas de transferência de renda como o Bolsa Família e Auxílio Defeso. O aplicativo foi pensado logo após o governo avaliar o uso de aplicativo de auxílio emergencial, já que as plataformas facilitam diversos procedimentos e serve como ponte principal de oportunidades de políticas públicas oferecidas pelo governo.

O perfil foco do aplicativo é o público vulnerável, o aplicativo será um aliado do usuário, uma de suas características mais importante é propagar informações sobre cursos em instituições públicas de trabalho, por exemplo. O programa vai além de uma mudança de titularidade, como já antecipa Onyx Lorenzone, Ministro da Cidadania. Os detalhes finais, antes de seu lançamento oficial também recebem acompanhamento do Ministro da Economia, Paulo Guedes.

Renda de famílias baixa renda subirá 20%

O pretendido por Onyx é aumentar a renda de famílias de baixa renda. O que está sendo avaliado é a possibilidade de aumentar em 20% o valor recebido por cerca de 14,2 milhões de família brasileiras, o que representa, em reais, 191,86. O projeto contará mais uma vez com a participação da Caixa, que vem trabalhando em conjunto ao governo no auxílio emergencial. De acordo com alguns relatos, Guedes e Onyx se sentiram incomodados com a presença ativa do presidente do banco durante todo o tempo de benefício.

Caso continuado, o auxílio emergencial sobe mais um degrau na escala de dificuldade. Desta vez, alguns critérios farão com que determinados grupos ganhem mais, como, por exemplo, alunos que apresentarem bom desempenho escolar poderão garantir benefícios maior aos familiares. É importante ressaltar que o objetivo é estimular a entrada de jovens no mercado de trabalho, deste modo é menor a necessidade e/ou dependência de ajuda governamental.