Cientistas brasileiros criam soro com anticorpos de cavalo para combater o coronavírus

Os animais apresentaram anticorpos de 20 a 50 vezes mais potentes contra a covid-19

A busca por formas eficazes para o tratamento do novo coronavírus continua e dessa vez, cientistas brasileiros deram um passo importante no combate à doença. O Instituto Vital Brazil – em conjunto com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) – desenvolveu um soro com anticorpos de cavalo contra a covid-19. 

A ideia é que esse soro seja usado como uma forma de imunização passiva contra a doença. Segundo reportagem do Valor Econômico, o método já é utilizado na fabricação de soros para animais peçonhentos, para o tratamento da raiva e do tétano.

Cinco cavalos do Instituto Vital Brazil (IVB) foram inoculados com uma proteína S recombinante do coronavírus produzida na Coppe/UFRJ. Depois de 70 dias, o plasma de quatro animais apresentaram anticorpos 20 a 50 vezes mais potentes contra a covid-19. 

A partir disso, foi criado o soro anti-SARS-CoV-2, produzido a partir de equinos imunizados com a glicoproteína recombinante da espícula do vírus.

O próximo passo é conseguir a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para fazer os estudos clínicos fase 3 de modo a avaliar a segurança e eficácia do tratamento. Em nota, a Anvisa afirmou que o tempo para avaliação de estudos clínicos envolvendo medicamentos e vacinas para a covid-19 é de 72 horas.